Início Destaque Zona Norte recebe o Pavilhão Boutique, o novo Centro de Eventos ao...

Zona Norte recebe o Pavilhão Boutique, o novo Centro de Eventos ao lado do Anhembi

Tempo de Leitura: 4 minutos

 

  • Após mais de uma década de burocracia, surge o Pavilhão Boutique.
  • As obras estão iniciadas e estimativa de inauguração fica até 2023.
  • Na obras, serão 600 empregos diretos. E 10 mil indiretos quando pronto.
  • Durante construção e mais de 10 mil indiretos quando entrar em operação.
  • Investimento de aproximadamente R$ 800 milhões 

Com a proposta de atender feiras, congressos e eventos sociais e servir, inclusive, de apoio aos pavilhões de mega exposições  a Zona Norte-Nordeste da cidade de  São Paulo ganhará um novo centro de eventos. Trata-se do Pavilhão Boutique, localizado ao lado do Pavilhão de Exposições do Anhembi e do Hotel Holiday Inn, encostado ao Sambódromo, em Santana.

Integrando o Condomínio Caio de Alcântara Machado, o empreendimento é administrado pela RRG Eventos e tem à frente a empresária  Roberta Dias Guagliardi. Ela tem se dedicado ao projeto desde a sua saída da Reed  Exhibitions  Alcantara Machado, em 2012, após cumprir período de não concorrência.

Investimentos e estrutura

Com investimento estimado de R$ 800 milhões para as duas fases da obra, o novo empreendimento contempla, em sua primeira fase, uma área de 100 mil metros quadrados em um conceito arrojado.

A estrutura abrigará um prédio de três andares: no térreo serão 21 salas modulares; o segundo andar terá uma área de exposição para abrigar feiras de médio e pequeno porte; e o terceiro andar contará com quatro salões de 800 a 1.6 mil metros quadrados cada um, para eventos sociais.

Além disso, uma área versátil de 6.5 mil metros quadrados na cobertura que abrigará eventos externos. No subterrâneo serão 2.190 vagas na garagem. O projeto do novo espaço de eventos é de autoria do arquiteto Marcelo Palumbo, com a supervisão e responsabilidade técnica da MGM Arquitetura sob o comando do arquiteto Marcos Gusmão Matheus.

Pensando em sustentabilidade o pavilhão terá captação e reuso das águas pluviais e um programa de reciclagem de lixo consciente. Em seu entorno serão plantadas mais de 500 árvores para a construção de uma ‘floresta de bolso, projeto do botânico Ricardo Cardim , que vem revolucionando a cidade, trazendo de volta o verde para a capital.

“Estamos trazendo uma floresta para dentro de São Paulo, brincando com o movimento das águas na fachada em tons de cinza e cobre. A ideia é harmonizar a arquitetura com a natureza”, destaca Roberta.

Cronograma e empregos

Com as obras iniciadas em julho deste ano, a previsão é que o Pavilhão Boutique esteja pronto em final de 2023. No período de obras, estimam-se cerca de 600 empregos diretos e a  expectativa é realizar mais de 700 eventos por ano, gerando cerca de 10.000 empregos indiretos, além de fomentar o comércio, hotéis e demais serviços na cidade.

Muita burocracia e o tempo passou

De acordo com Roberta, o projeto do novo centro de eventos é um sonho antigo, que nasceu da necessidade de mais espaço para as feiras realizadas pela então Alcantara Machado Feiras de Negócios – empresa de seu sócio, José Rafael Guagliardi, antes mesmo da joint-venture com a Reed Exhibitions.

“No entanto, o nosso projeto ficou paralisado desde a administração do prefeito  Gilberto Kassab, quando passou por processo de DUP – Declaração de Utilidade Pública. Esse trâmite se estendeu durante toda a administração do prefeito Fernando Haddad.  E mais tarde chegou até a gestão de  João Doria , que como prefeito desobrigou a área por falta de interesse do município”,  recorda a empresária.

Desde então, a empresária vem trabalhando arduamente para que o projeto cumprisse todas as exigências necessárias para um empreendimento deste padrão e importância. E, finalmente, em 13 de abril de 2021 o alvará foi emitido, depois de passar por todos os departamentos e órgãos municipais e se enquadrar em todas as leis.

Foco e retomada dos eventos presenciais

A empresária acrescenta que o Pavilhão Boutique não veio para concorrer com os pavilhões tradicionais e, sim, para apoiá-los, atendendo eventos complementares, congressos, eventos corporativos e de eventos de nichos segmentados. Além de um espaço para outros tipos de celebrações, como casamentos e festas, que, antes da pandemia, tinham filas de espera em São Paulo – e muitos acabavam migrando da capital para outros locais por falta de opções e datas.

“O mundo dos eventos e experiências interpessoais tende a voltar com muita força após a população ser vacinada. Somos seres sociais e isso já está acontecendo em países como Estados Unidos, China e Canadá após a vacinação em massa”, acrescenta. “O nosso setor foi o mais afetado na economia, mas é por meio dele que vai ter sua retomada. Acreditamos que, até o final do ano, a situação comece a melhorar e teremos uma nova perspectiva”, finaliza a executiva. <<Com apoio de informações/fonte: Comunicare Online/Vivi Teixeira >>


d