Sem a presença e sem citar o governador de São Paulo, João Doria Jr.,  o  presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 3ª feira (15dez2020) que não há espaço em seu governo para privatização da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp).
A declaração foi dada durante uma visita a empresa, na zona oeste da capital paulista, para a reinauguração da Torre do Relógio, um monumento reformado por comerciantes e que foi pintado de verde e amarelo.

À frente de cerca de 500 pessoas — a maioria, sem máscaras –, entre funcionários da Ceagesp e de convidados, Bolsonaro –que junto aos políticos e acompanhantes “sem máscaras” — bateu na mesma tecla: “aqui, quando se fala de privatização, quero deixar bem claro. Enquanto eu for presidente da República, essa é casa de vocês”.

Enquanto o governador Doria inaugurava o Departamento Estadual de Investigação Criminais (DEIC) da Policia Civil, na cidade de Campinas, o presidente Bolsonaro fêz dois discursos sem citar nomes, reafirmando que o Ceagesp não será privatizado. Um deles, disse “É inadmissível um entreposto como esse estar na mão de políticos”. Mais adiante afirmou que “enquanto eu for presidente da República essa é a casa de vocês. Nenhum rato vai querer sucatear isso aqui para vender para os amigos”. Mais adiante complementou: “queriam privatizar para algum amiguinho se dar bem” e “agora vai continuar andando com sua calcinha apertada”.

A Ceagesp foi criada em 1969 pelo governo do estado de São Paulo, mas passou a ser controlada pelo governo federal a partir de 1997, e atualmente está vinculada ao Ministério da Economia. O governador Doria começou gestões com o governo federal para mudança do entreposto para outro ponto mais viável, até próximo do Rodoanel. No local do entreposto seria convertido em um Polo de Tecnológica.  Além de licitações, houve até um decreto, e opções de terrenos.

“Não vim inaugurar nada aqui”

Esta foi a primeira visita de um presidente da República ao galpão do Ceagesp. Durante a visita, Bolsonaro destacou o trabalho do diretor-presidente do entreposto, Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, que assumiu o cargo no final de outubro. Araújo é coronel da reserva da Polícia Militar de São Paulo, e ex-comandante da Rota.


Assista ao video de 59 minutos com a inauguração e discursos:


“Não vim inaugurar nada aqui, vim fazer uma visita técnica, conversar com o novo presidente, que deu uma nova dinâmica a esse entreposto. Tudo que passa pela nossa mesa passa por aqui”, afirmou Bolsonaro. O presidente lembrou que, entre outras iniciativas, o novo diretor-presidente acabou com a obrigatoriedade de pagamento de R$ 60 por mês para cada um dos 4 mil carregadores guardarem seus carrinhos.

“Para pessoas humildes, isso faz falta, é muito dinheiro. Ele acabou com isso num primeiro momento”, disse o presidente aos permissionários durante um discurso no galpão do entreposto, acompanhado por centenas de comerciantes. Ainda de acordo com Bolsonaro, Mello Araújo assumiu com “carta branca” para nomear os diretores e tomar decisões para combater supostas irregularidades na empresa.

“Temos vários problemas aqui, como os contratos de lixo e de segurança, que estão sendo revistos. Outras coisas também, os senhores podem ter certeza, trazendo ao conhecimento do coronel Mello Araújo, esses problemas serão resolvidos. Nós não compactuaremos com a corrupção”, acrescentou. <<Com apoio de informações/fonte: Empresa Brasil de Comunicação-EBC/ Agência Brasil – Brasília/São Paulo >>


d