Tempo de Leitura: 5 minutos

.

da Redação DiárioZonaNorte

O restaurante O Compadre, na Zona Norte de São Paulo, ostenta o título de ter uma das mais robustas cartas de cachaça da cidade. Cheia de predicados, ela dispõe de mais de duzentos rótulos do destilado mais complexo do mundo,  que vão além da cor branquinha translúcida ou da cor amarelo-ouro, com diferentes estilos e regiões

Made in Brazil

Para ser cachaça tem que ser produzida com mosto fermentado do caldo de cana e no território brasileiro e graduação alcoólica de 38% a 48%. Quando não se enquadra nestes critérios, a bebida recebe o nome de aguardente de cana. E qual a melhor cachaça? A que você gosta. E a cachaça deve ser como as melhores coisas da vida: apreciada devagarinho e com responsabilidade.

No Compadre, elas são os aperitivos que despertam os sentidos e o paladar e “conversam divinamente” com  as delícias preparadas pela chef Comadre Rosa. De sua cozinha, saem pratos representantes das  cozinhas mineira, capixaba e paulista, que compõem o farto buffet da casa.

Era uma vez um alambique

Próximo de completar 30 anos, O Compadre foi inaugurado em 1992  na Vila Maria, pelo casal Osmar Rosa Temperani, mudando-se para o Lar Center em 1998. Em 2004, seu Osmar nos deixou e ao lado de Dona Rosa, os filhos Marcus Vinicius, Marcius e Débora Temperani continuaram  o legado do pai.

pintura óleo sobre tela – Osmar Temperani

“Meu pai comprou um sítio em Nazaré Paulista (cerca de 70 KM de São Paulo). Muito próximo, haviam dois alambiques: o Dito Raimundo e o Nenê Pereira (produtor da cachaça Trepadeira). E ele, como fazia amizade com o todo mundo, foi aprendendo sobre os processos…  Até que ele montou o alambique dele,  lá no sítio. E  ele foi atrás de mais conhecimento…  Descobriu que nem sempre a cana que produzia mais era que dava melhor cachaça. Qual é o barril… Ele foi aprendendo, aos poucos e foi fazendo as cachaças dele lá no sítio. E nós temos,  até hoje esse alambique dele montado. Eu mesmo sei o processo para fazer a cachaça. Não é muito complicado. Precisa de tempo e capricho. Eu fiz uma vez só, depois que meu pai faleceu… ” lembra Marcus Temperani.

Marcus Temperani
Tesouro perdido

“Ele ficava o dia inteiro para fazer sete litros de cachaça. Você faz sete litros, os primeiros dois litros são ruins, uns três litros do meio da produção são bons e os outros dois do final também são ruins. Meu pai sempre que terminava de fazer uma cachaça, pega uma das garrafas e enterrava no sítio… Dizia “essa  aqui eu vou desenterrar quando eu inaugurar tal coisa, essa outra quando eu terminar a reforma…” E ele fez um barril pequeno de uma cachaça e disse para o caseiro “essa daqui é para abrir quando eu morrer”. No dia que meu pai faleceu, o caseiro não teve coragem de contar pra gente e nem sei se teríamos coragem de abrir o barril …”  continuou Marcus

“Eu lembro disso,  quando eu era pequeno, lá na  década de 80. O lugar ficou um pouco diferente… meu pai trouxe a casa para um outro lado no sítio… tinha uma árvore perto do local, que em um vendaval caiu… E o caseiro dizia que lembrava onde o barril estava enterrado… dizia “é só chamar que eu vou lá e a gente desenterra”… ai, o caseiro teve um infarto e faleceu… Se a gente for cavar, para procurar, podemos quebrar o barril… ” finalizou ele.

A carta

As cachaças apresentam diferentes terroirs (características do solo, temperatura da região, grau de pluviosidade, que influenciam no ciclo da cana-de-açúcar), quando em contato com a madeira ganha cor e sabor e apresenta os traços da madeira que compõem o barril.

A cachaça Germana Palha, um dos rótulos da carta de O Compadre – por exemplo, tem terroir mineiro de Nova União e passa por um processo de envelhecimento de um ano em barril de carvalho francês e mais um ano em dornas de bálsamo, resultando em uma linda cor amarelo-palha. No nariz, apresenta uma gama de  de aromas  adocicados,  herbáceos e amadeirados.  No paladar, traz um gosto doce, que lembra o chocolate, causando uma sensação aveludada, licorosa – levemente picante, de retrogosto agradável e forte

A também mineira Havana é uma  das cachaças artesanais mais famosas e tradicionais do Brasil. Em 2006 foi declarada Patrimônio Cultural Imaterial de Salinas e ostenta vários prêmios. Armazenada por 12 anos em barris de bálsamo, no nariz apresenta um aroma herbal com notas de erva doce e anis, com um paladar mais seco e teor alcóolico de 47%.

Do Rio Grande do Sul vem a  Weber Haus Ouro Reserva Especial, considerada uma das melhores cachaças do Brasil,  premiada com as medalhas de ouro e prata da Spirits Selection do Concurso Mundial de Bruxelas. Destilada em alambiques e envelhecida em barris de carvalho francês durante seis anos e um ano em barris de bálsamo, tem um sabor marcante amadeirado. Retrogosto agradável e forte, com teor alcoólico de 38%.

O Compadre tem seu próprio rótulo do destilado, apresentado em duas versões. A prata – armazenada em dornas de inox, tem coloração límpida e transparente. No nariz, apresenta um aroma adocicado de cana-de-açúcar e folhas verdes, que remete as melhores cachaças de alambique. De paladar leve, está disponível em doses e como base no preparo de drinks, como a icônica  caipirinha da casa.  E para a felicidade dos apreciadores, está disponível em garrafas que podem ser levadas para casa.

Já a cachaça O Compadre Ouro é a envelhecida em barril de carvalho de quatro a seis anos,  apresenta uma linda cor amarelo-palha. Os aromas lembram frutas cítricas, com notas de mel e baunilha. No paladar, tem um gosto adocicado, causando uma sensação picante e de retrogosto agradável. Disponível apenas em garrafas que podem ser levadas para casa.


DiárioZonaNorte reviveu a experiência do restaurante O Compadre a convite da Anagrama Eventos e Comunicação.


Serviço:

Restaurante O Compadre
  • Av. Otto Baumgart, 500 • Estacionamento/Shop.Lar Center
  • Vila Guilherme –  São Paulo/SP  CEP: 02049-900
  • Dias e Horários: 2a. a 6a. feira e  sábados: 12h às 16h e 19h   às 23h
  • Domingos e feriados: apenas almoço (12h às 16h)
  • Preços (outubro de 2021): 2a. a 6a. feira: R$ 85,00  e  sábados, domingos  e  feriados: R$ 95,00
  • Cartões de crédito e débito. Vale Refeição: todas as bandeiras
  • Informações:  (011) 2252-3131

d