Início Destaque De olho nas contas: IPVA de São Paulo poderá ser parcelado...

De olho nas contas: IPVA de São Paulo poderá ser parcelado em até 5 vezes

parcelado em até 5 vezes
Tempo de Leitura: 2 minutos

parcelado em até 5 vezes

da redação DiárioZonaNorte
  • IPVA de São Paulo poderá ser parcelado em até 5 vezes 
  • A medida também se aplica a taxa de licenciamento de novos veículos
  • Com a valorização dos carros, o Imposto ficará entre 25 e 30% mais caro

O IPVA –  Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – poderá ser pago em até cinco parcelas, a partir de  janeiro de 2022.  Atualmente, o imposto pode ser parcelado em no máximo três vezes. Para quem pagar o valor à vista, o desconto é de 3%.

A medida também se aplicará ao licenciamento de novos veículos, adquiridos a partir de 02 de janeiro de 2022.

O anúncio do novo prazo foi realizado pelo governador João Doria (PSDB), neste sábado (11/12/2021), durante a coletiva de imprensa sobre o lançamento  da segunda etapa das obras do Sistema Binário de Santos, que promoverá a modernização da entrada da cidade e do acesso ao Porto de Santos (Conexão Porto-Cidade).

O ato será publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo, no decorrer da próxima semana.

IPVA mais caro em 2022

Mesmo a tabela do IPVA não tendo sido reajustada, o IPVA ficar mais caro –  entre  25% a 30%,  em média-, devido o aumento de preços nos veículos novos e seminovos.

A alíquota de IPVA em São Paulo é de 4% e tem  como base a tabela FIPE  (para carros usados) ou o valor da nota fiscal de compra (para veículos novos).

 Qual o destino da arrecadação do IPVA?

O IPVA é um imposto anual,  que surgiu em novembro de 1985, em substituição a antiga Taxa Rodoviária Única – TRU, que foi criada em 1969 pelo Governo Federal, como forma de financiamento da expansão das rodovias do país.

Do valor arrecadado anualmente pelo IPVA, 20%  vai para o  Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação  – FUNDEB e o remanescente do valor é repartido 50% (cinquenta por cento) para o Estado e a outra metade para o município de registro do veículo. Embarcações e aeronaves não pagam IPVA.

A quota-parte estadual vai compor o orçamento anual Governo do Estado de São Paulo.

Lembramos que, o IPVA de São Paulo está entre os mais caros do país.

d