20.1 C
São Paulo
segunda-feira, 15 agosto, 2022
Início Bem Estar Prefeitura de SP informa ter estrutura para cuidar de casos da “varíola...

Prefeitura de SP informa ter estrutura para cuidar de casos da “varíola dos macacos”

macacos
Tempo de Leitura: 2 minutos

estrutura

  • A OMS decretou emergência de saúde pública, de caráter global, para a doença
  • As Unidades Básicas de Saúde (UBS) podem receber os casos
  • São Paulo ultrapassa 400 casos da doença

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) está com toda a operação de atendimento, diagnóstico e monitoramento em pleno funcionamento para o atendimento aos casos de “monkeypox” (varíola dos macacos).  A Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou que a doença é uma emergência de saúde pública, de caráter global.

Com a nova realidade internacional, busca-se aumentar a coordenação entre os países e reforçar os mecanismos de busca ativa, com o objetivo de implementar medidas que ajudem a conter a circulação global do vírus.

O atendimento para os casos com suspeita de monkeypox está disponível em toda a rede municipal de saúde, como Unidades Básicas de Saúde (UBSs), pronto-socorros e pronto atendimentos. A rede foi capacitada e conta com insumos para coleta de amostras das lesões cutâneas (secreção ou partes da ferida seca) para análise laboratorial.

Casos em São Paulo

Até a última 6ª feira (22/07/2022), a cidade contabilizava 442 casos registrados, sem sinais de agravamento. Desde os primeiros alertas da OMS para a monkeypox, a Prefeitura de São Paulo, por meio da SMS, instituiu protocolos para toda a rede pública e privada sobre o atendimento dos casos suspeitos.

Com isso, a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) passou a orientar as unidades para a identificação e monitoramento precoce dos casos e fluxo de diagnóstico laboratorial para confirmação, bem como orientações sobre o isolamento dos pacientes com diagnóstico positivo a fim de conter da proliferação da doença.

O monitoramento dos contatos para verificação do aparecimento de sinais e sintomas de monkeypox é realizado pela UBS de referência. Não há necessidade de quarentena dos contatos assintomáticos.

Sintomas

São considerados suspeitos da doença os indivíduos de qualquer idade que a partir o último dia 15 de março tenham apresentado início súbito de erupção cutânea aguda, única ou múltipla, em qualquer parte do corpo, incluindo a região genital. Pode ou não estar associada com febre, dor nas costas e dor de cabeça, entre outros sintomas.

Também deve ser levado em conta o histórico de viagem a um país endêmico ou países com casos de monkeypox nos 21 dias anteriores ao início dos sinais e sintomas, além do contato com pessoas que tenham viajado a esses locais.

Clique aqui e veja mais informações sobre a monkeypox, como o fluxo de assistência laboratorial, fluxograma de atendimento e informações sobre cuidados domiciliares.


<<Com apoio de informações/fonte: Secretaria Especial de Comunicação-Secom/PMSP>>

d

estrutura estrutura estrutura estrutura estrutura