Início Cotidiano Motoristas de ônibus públicos podem entrar em greve em SP, a qualquer...

Motoristas de ônibus públicos podem entrar em greve em SP, a qualquer momento

Tempo de Leitura: 2 minutos

 

  • Decisão foi tomada em Assembleia Decisiva da Campanha Salarial 2021
  • A paralisação poderá acontecer a qualquer momento, sem data

Os trabalhadores do transporte rodoviário de São Paulo aprovaram a definição de assembleia permanente (que pode ser chamada a qualquer momento) e decretaram “Estado de Greve”, em assembleia realizada no Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindimotoristas), nesta 3ª feira (06jul2021).

Segundo o Sindimotoristas, “a medida é uma resposta ao setor patronal e a administração municipal que, até o presente momento, não apresentaram uma proposta que atendesse os anseios da categoria”.

Já o presidente do sindicato e deputado federal, Valdevan Noventa, declarou: “A categoria está disposta a cruzar os braços e parar o sistema de transporte da capital. Até aqui, tivemos muita paciência e jogo de cintura nas tratativas, mas pelo visto, não estão interessados em atender as reivindicações da categoria”.

Redução de frota

Ainda, conforme os dirigentes sindicais, além de não apresentarem uma proposta satisfatória para reajustar os salários e benefícios, as empresas têm comentado que em virtude da crise econômica, agravada pela pandemia, São Paulo pode reduzir de forma definitiva 1.147 ônibus de sua frota, o que refletirá em mais de 6 mil trabalhadores desempregados, iniciando pelo corte de 30% dos postos dos cobradores.

“Isso é inadmissível, principalmente porque temos um aditivo que garante o emprego dos trabalhadores”, disseram.

Mesmo com um número reduzido de trabalhadores na assembleia, em virtude das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o presidente do sindicato ainda comentou: “Sabemos da crise financeira, mas também sabemos que a inflação não perdoa os preços do mercado para a categoria. Tudo está mais caro, o alimento, o aluguel, o gás, a água. Portanto, o reajuste salarial e as reivindicações da categoria são justas”.

A última paralisação

Os motoristas e cobradores promoveram em 24 de março passado atos de protestos e diversos terminais da capital. As ações tinham como objetivo chamar atenção da Prefeitura de São Paulo e autoridades para  o problema da superlotação dos ônibus e garantir a vacinação da categoria, protegendo a saúde e a vida de todos. Mais informações – clique aqui.    

 

<<Com apoio de informações e colaboração: Assessoria de Comunicação do Sindimotoristas >>


d