Por vários anos e gestões, sempre houve a desculpa que não havia terreno disponível para um Ecoponto na região do Jaçanã/Tremembé, uma das áreas que mais necessita deste equipamento. 

E ficou na promessa do prefeito e de seus subprefeitos, diante de reuniões do Conselho Participativo Municipal, do Conselho Regional do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz – CADES-JT, da Quinta Ambiental, do CONSEG e da população. 

Na falta de um importante ponto de descarte, a Subprefeitura Jaçanã/Tremembé foi obrigada a  criar até um esquema de emergência com o Cata-Bagulho Móvel, um caminhão-caçamba que percorria ruas pré-determinadas ou, depois, ficava em pontos fixos por semana. Com isto, enquanto funcionou, tentava suprir a falta de um Ecoponto.

Agora, a Prefeitura de São Paulo está prometendo, por intermédio da  Secretaria das Subprefeituras (SMSUB) e Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (AMLURB),  a entrega da unidade na região Jaçanã/Tremembé, mas não divulgou o local que já está escolhido.

Há algum tempo atrás estudos para implantação no terreno mostrava-se junto ao antigo “Sacolão”— Av. Antonio César Neto junto à Rua Francisco Espósito Tonetti, do CEU Jaçanã — , onde funciona setores da Subprefeitura, com dois pátios de estacionamento de máquinas/caminhões.

A região de Jaçanã/Tremembé está incluída nos 18 novos Ecopontos na capital, que serão implantados nos próximos meses neste final de governo. No momento, a cidade conta com 104 unidades e passará a ter 122 até outubro deste ano.

Além do Jaçanã/Tremembé, os novos Ecopontos contemplam as seguintes regiões: Mooca (1), Sapopemba (2), Vila Prudente (1), Aricanduva/Vila Formosa (1), Guaianazes (1), Itaquera (1), São Miguel Paulista (3), Itaim Paulista (2), Sé (1), Lapa (1), Casa Verde/Cachoeirinha (1), e  Santa Amaro (2).

Os ecopontos são locais gratuitos de entrega de resíduos, como entulho, móveis, restos de poda e recicláveis (até 1m³). Nos últimos anos, a adesão dos cidadãos aos ecopontos tem aumentado. Em 2019 foram recebidas 447,7 mil toneladas de resíduos nos ecopontos – cerca de 56% a mais que em 2016, quando recebeu 286,9 mil toneladas.

A maior adesão dos moradores tem refletido na diminuição de pontos viciados de descarte irregular do município. Todos os ecopontos funcionam de 2ª feira  a sábado, das 6 às 22 horas, e de domingo e feriados, das 6 às 18 horas.

O DESCARTE IRREGULAR DE RESÍDUOS ===  O último estudo de pontos viciados realizado pela AMLURB registrou 1.980 locais com descarte irregular de lixo – 50% a menos que em 2016, quando a cidade registrava cerca de 4 mil pontos.  No último ano, a Prefeitura também tem apostado em projetos de educação ambiental em resíduos, como o apoio institucional do movimento Recicla Sampa para a população, o Revitaliza SP, atuando na revitalização de pontos viciados; e os programas para catadores informais.


<<Com apoio de informações/fonte: Secretaria Especial de Comunicação-Secom/PMSP >>

d