Início Destaque Demolição de prédio projetado por Niemeyer no Pq Novo Mundo faz 30...

Demolição de prédio projetado por Niemeyer no Pq Novo Mundo faz 30 anos

da Redação DiárioZonaNorte

Há 30 anos o prédio da Duchen, localizado na Rodovia Presidente Dutra – sentido Rio de Janeiro, era demolido. Chegava ao fim o único prédio industrial projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer.

Da Mooca para o Parque Novo Mundo

A Duchen iniciou suas atividades  em 1903 na Rua Borges de Figueiredo, no bairro da Mooca, como Casa Pierre Duchen e fabricando delicados biscoitos amanteigados.

Em 1949 a empresa muda de mãos e passa a pertencer as Indústrias Alimentícias Carlos de Britto S/A – fabricante dos produtos da Marca Peixe.

Para expandir a produção industrial e por uma questão de logística, a empresa adquire uma área  na beirada da recém inaugurada Rodovia Presidente Dutra, que nos anos 50 ainda tinha apenas duas pistas (uma para ir e outra para voltar do Rio de Janeiro).

O terreno repleto de árvores de gabiroba (fruta da mesma família das goiabas) e um extenso capinzal, nos arredores do Rio Cabuçú de Cima,  ficava na  Rua Soldado Hamílton Silva Costa  nº 58, no  Parque Novo Mundo – Zona Norte da cidade de São Paulo.

O Projeto

Para o projeto, a empresa contratou o arquiteto carioca Oscar Niemeyer  – em parceria com o também arquiteto Hélio Lage Uchôa Cavalcanti. A construção teve início em 1950, com conclusão no ano seguinte.

A vista aérea da fábrica revelava um conjunto de edificações com o telhado em  formato de uma espinha de peixe, com suaves  formas arredondadas e a leveza característica do traço de Niemeyer.

Os prédios eram separados de acordo com suas funções (administrativo, produção, expedição, refeitório, ambulatório, etc).

O projeto foi considerado  tão inovador na época  que foi ganhador do primeiro prêmio na 1a. Bienal de São Paulo – Categoria Construção Industrial. 

Nova mudança de mãos 

Na década de 70, as Indústrias Carlos Britto (incluindo a Duchen) foram vendidas para o Grupo Fenícia – dono das lojas Arapuã e das marcas Etti, Simeira, Lotus, Banco Fenícia, Neugebauer, GG PresentesProsdócimo.

Na década de 1980, a Duchen encerrou definitivamente suas atividades e a marca passa a pertencer a General Biscuits do Brasil que, em 1993 a vende para a  italiana Parmalat.  

Abandono do prédio e tombamento

O prédio ficou  muito tempo fechado e estava em processo de tombamento pelo Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo por ser considerado um marco na história da arquitetura industrial do país.

A Transportadora Atlas comprou o prédio e  apesar do processo não homologado de tombamento, deu iniciou sua demolição em 1990, gerando litígio entre a empresa e o Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB.

O arquiteto Oscar Niemeyer foi consultado pelo colegiado do Condephaat e ao contrário do esperado, não se opôs a demolição.  Desta forma, seguindo o princípio de autoridade do artista, o Condephaat negou o tombamento do prédio e encerrou o processo.

d

Crédito das fotos: Divulgação Duchen e Instituto Moreira Salles