por Profª. Drª. Cintia Alfieri Gama-Rolland  (*)

Desde que o ser humano conhece a escrita temos notícias de afrodisíacos capazes de dar maior potência sexual ou aumentar o desejo de seu parceiro ou parceira. Há muitos exemplos celebres na história da gastronomia, entre eles:

No Egito Antigo, o povo acreditava que tanto as cebolas quanto a alface eram alimentos afrodisíacos associados ao deus Amon-Min, vide a cena de oferendas de alface ao deus Amon-Min feita por Ramsés II em Abu Simbel.

Já na Bíblia, há uma referência a um afrodisíaco, em Cântico dos Cânticos, o livro escrito pelo Rei Salomão, o filho do Rei David. No capítulo 7 versículos 13 e 14, fala-se assim de uma raiz com efeito afrodisíaco: “As mandrágoras estão cheirando o perfume. Temos na porta muitas frutas deliciosas, velhas e novas, que eu tenho guardado para ti, oh meu amor! ”

Em Roma, o filósofo Apuleio, séc II d.C., teria empregado uma receita afrodisíaca para conquistar a rica viúva romana Pudentilla, uma deliciosa sopa de peixes, conhecida em Marselha como Bouillabaisse. O autor romano foi até acusado de bruxaria pela família da viúva de tão grande o poder do ensopado de peixes.

Apicius, autor romano do primeiro livro de cozinha, não deixou de anotar receitas afrodisíacas, dentre elas a receita de lentilhas com frutos do mar – Receita da Velha –, que estará disponível no fim do artigo.

Os peixes e as ostras === Os peixes também eram elogiados por Anthelme Brillat-Savarin (1755-1826) que conta que Saladino, ao tentar testar a pureza e a castidade sexual dos religiosos, primeiro teria imposto a eles um regime a base de carne vermelha, o que se mostrou ineficaz, por conseguinte, forçou os religiosos a se alimentarem apenas de peixes, o que teria feito os dervixes (praticante aderente ao islamismo) ficarem tão excitados que eles teriam corrido atrás das mulheres do harém do sultão.

Giovanni Giacomo Casanova (1725-1798), o mais celebre sedutor de todos os tempos, era também um grande adepto de afrodisíacos. Para ele, a chave de todo o sucesso estava no consumo de ostras com champanhe. Reza a lenda que ele teve mais de 132 mulheres e que além do espumante e das ostras ele aumentava o aquecimento de sua casa para que as mulheres tivessem vontade de se despir mais rapidamente. Além disso, ele tinha uma estratégia especial, em que as pessoas deviam passar as ostras de uma boca para outra.

As alcachofras… ah!, as alcachofras! === Na época moderna francesa, acreditava-se que as alcachofras fossem afrodisíacas, bem como a baunilha e o chocolate, todos grandes estimulantes do sexo feminino. Há, inclusive um poema sátiro anônimo que diz:

Alcachofras! Alcachofras! – Elas aquecem o corpo e o espírito! – Elas aquecem as partes nobres! – Catarina de Médici adora alcachofras!

Comer alcachofra, dizem, é como ser acariciado. Catarina de Médici, como o versinho já mostra, teria escandalizado a corte francesa por deixar clara sua paixão por alcachofras. Apreciar tanto um afrodisíaco não era uma atitude muito adequada para uma mulher, ainda mais da alta nobreza. Mas não há registro de queixas por parte do marido, Henrique II.

Na China, a sopa === Os chineses tinham, desde tempos antigos, o costume de usar os afrodisíacos medicinais e mecânicos. Eles conheceram o afrodisíaco vegetal usado até hoje, o gengibre, e com ele faziam uma geleia que estimulava especialmente as áreas sexuais da mulher. Também usavam outra raiz, a do ginseng ou, com os mesmos efeitos.

Porém, o mais forte dos afrodisíacos por eles usado é, sem dúvida, a sopa de ninho de pássaro, uma preparação bem temperada que nunca falha, segundo os chineses. Os ninhos são tirados das montanhas perto do mar e,na Europa, esta sopa foi sempre muito procurada, sendo que as pessoas chegavam  a pagar uma fortuna pelo sabor delicioso e exótico que apresenta.

A mistura indiana === A literatura tradicional da Índia traz diversas referências aos afrodisíacos. Nunca existiu uma quantidade tão importante de dados como o que se acha no Kama Sutra, por exemplo. Kama quer dizer “prazer de amor” ou “prazer físico” e Sutra é o “escrito”. Um vegetal que era muito usado na Índia, também conhecido na Europa, era a raiz do Kang (grama húngara ou panicum italicum) misturado com mel, segundo outro livro, o Ananga Ranga.

As imagens afrodisíacas === Algumas comidas foram glorificadas como afrodisíacas por serem raras ou misteriosas. Além disso, muitos povos antigos acreditavam na “lei da similaridade”, o que os faziam crer que objetos semelhantes aos órgãos genitais teriam efeitos sexuais. A similaridade do formato do chifre do rinoceronte com o órgão sexual masculino é o que lhe deu a reputação mundial de aumentar o desejo, uma vez que o próprio formato facilitava a autossugestão. Mas os cientistas explicam que o chifre contém uma porção significante de cálcio e fósforo, e conduz ao maior vigor físico e possível melhoria do interesse sexual.

Seja como e onde for, no decorrer da história, a busca por afrodisíacos é incessante e na maioria das vezes, esses são alimentares. Se sua ação é mítica ou verdadeira, isso não se pode dizer, pois por mais que alguns afrodisíacos sejam testados pela ciência, não se pode esquecer do fator de autossugestão ou placebo desses alimentos.

Mais algumas curiosidades:

  • Na Grécia, acreditava-se que os testículos de asno, cozidos ou mesmo pendurados no pescoço dos homens, serviam como amuletos para a virilidade;
  • Os testículos de leão são muito apreciados na África, por transmitirem força e coragem;
  • No Chile, churrasco com testículos de gado são pratos comuns entre os homens do campo;
  • Catarina, a Grande Imperatriz da Rússia, ganhou fama de sexualmente insaciável. Defendia relações sexuais 6 vezes ao dia e talvez tenha cumprido a prescrição até morrer, aos 77 anos. De manhã, gostava de chá com vodca e omelete de caviar, extremamente afrodisíacos;
  • Os astecas conheciam bem o poder do chocolate:  diz-se que Montezuma bebia 50 xícaras de chocolate ao dia para bem servir suas 600 mulheres;
  • Os chineses consideravam o damasco como um símbolo de sensualidade da natureza. É tido como um dos frutos de Eros;
  • Gengibre quente mata a sede, reanima e estimula o cérebro. E na idade madura, despertaria os amores;
  • Segundo Shakespeare, a hortelã, a lavanda e o alecrim seriam grandes estimulantes para homens de meia-idade;
  • O incenso egípcio mais famoso é o Kyphi, uma mistura de 16 ingredientes, dentre eles> açafrão, canela, zimbro, mel e uvas-passas. Foi descrito como “um aroma apreciado pelos deuses”. Era queimado depois do pôr do sol para garantir a volta de Rê, o Deus Sol, e também por seu efeito inebriante e afrodisíaco;
  • O chá de jasmim é um maravilhoso auxiliar de Afrodite. A flor é utilizada em incensos, na culinária, como óleo, em perfumes e sachês;
  • Paulina Bonaparte, a irmã de Napoleão Bonaparte, é descrita como ninfomaníaca incorrigível. Sua poção do amor consistia em morangos e champanhe.

Abaixo, receita oriunda do de recoquinaria, um dos primeiros livros de receita ocidentais, do Império Romano.

Receita da Velha

  • Lentilhas com frutos do mar (Apicius  “DE re Coquinaria”, livro V)
  • 600 gramas de frutos do mar limpos;
  • 200 gramas de lentilhas verdes;
  • 30 ml de vinho tinto;
  • 1 colher de café de mel;
  • Uma pitada de azeite de oliva extravirgem;
  • 2 alhos-porós pequenos;
  • Uma pitada de coriandro, menta, alho, sal e pimenta.

Modo de preparo

  1. Ferver as lentilhas em água salgada durante uma hora, acrescentar o coriandro, a menta, o alho, o sal, a pimenta, os alhos-porós, o vinho, o mel e duas colheres de azeite de oliva;
  2. Cozinhar até que as lentilhas estejam macias;
  3. Fritar com azeite de oliva o alho, o coentro e colocar os frutos do mar aos poucos;
  4. Acrescentar colheres de água e cozinhar durante 3 minutos;
  5. Colocar as lentilhas num bol e sobre as mesmas os frutos do mar

(*) Profª. Drª. Cintia Alfieri Gama-Rolland  ===  Bacharel em História pela Universidade de São Paulo, mestre em arqueologia pela Universidade federal do Rio de Janeiro, doutora pela École Pratique de Hautes Études, Paris. Antiga conselheira científica do Museu do Louvre. Integrante de duas missões arqueológicas no Egito e pesquisadora da coleção egípcia do Museu de Arte de São Paulo – Masp. Coordenadora do curso de gastronomia da FMU e coordenadora adjunta.


 

Sobre o Centro Universitário FMU ===  O Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) é referência na qualidade de ensino e empregabilidade de seus alunos e, em 2018, completou 50 anos. A Instituição oferece mais de 70 cursos de Graduação Tradicional e Tecnológica, mais de 100 cursos de Extensão, 100 opções de Pós-graduação lato sensu (Especialização e MBA) nas modalidades  presencial e a distância, bem como cinco opções de Pós-graduação stricto sensu (Mestrado em Direito da Sociedade da Informação, Mestrado em Saúde Ambiental, Mestrado em Administração em Governança Corporativa, Mestrado Profissional em Jornalismo e Mestrado Profissional Em Projeto, Produção E Gestão Do Espaço Urbano). Desde 2014, integra a rede internacional de universidades Laureate, que conta com 38 instituições de ensino, em 10 países, e mais de 850 mil alunos pelo mundo. 

Sobre a Laureate Brasil ===  A Laureate Brasil, integrante da rede global líder em ensino superior Laureate International Universities, é formada por 12 instituições, com mais de 50 campi em oito estados brasileiros, e polos em diversos locais do país na modalidade de educação a distância. Fazem parte do grupo mundial: Business School São Paulo (BSP); CEDEPE Business School; Complexo Educacional FMU/FIAM-FAAM; Centro Universitário do Norte (UniNorte); Centro Universitário IBMR; Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter); Centro Universitário FADERGS; Centro Universitário UniFG; Faculdade Internacional da Paraíba (FPB); Universidade Anhembi Morumbi (UAM); Universidade Potiguar (UnP); Universidade Salvador (UNIFACS); e EAD Laureate. 

Sobre a Laureate International Universities ===  A Laureate International Universities é a maior rede global de instituições de ensino superior, com 850 mil  estudantes matriculados em 38 instituições presenciais e online, localizadas em cerca de 10 países, com programas de graduação e pós-graduação (lato e stricto sensu) de qualidade e focados na empregabilidade dos estudantes, em uma ampla gama de áreas de conhecimento. A organização é a maior Empresa B Certificada® do mundo na área de educação e tem a missão Here for Good, de estar aqui para o bem e para sempre, pois acredita que quando os alunos obtêm sucesso, países prosperam e a sociedade se beneficia. Saiba mais em: www.laureate.net 

<<Com apoio de informações/fonte: Assessoria de Comunicação Laureate / Talita Ferreira-Ana Martins>>

sicredi_institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora