Um dia após as eleições municipais, o Governo do Estado de São Paulo anunciou que as seis regiões do estado  que hoje estão na fase verde, regrediram para a fase amarela do Plano São Paulo, que coordena os protocolos de reabertura da economia dentro do contexto da Pandemia de Covid-19.

Restringe mas não fecha

Desta forma, todo o estado de São Paulo- incluindo a capital –  passa a ter mais restrições, que incluem funcionamento limitado do comércio e de bares e restaurantes. A educação não será afetada de acordo com o governo paulista.  A medida não fecha setores econômicos em nenhuma das 645 cidades paulistas, mas fortalece ações de restrição a aglomerações

“Com o claro aumento da instabilidade da pandemia, o governo de São Paulo decidiu que 100% do estado vai retornar para fase amarela do Plano São Paulo. Essa medida não fecha comércio nem bares e restaurantes. A fase amarela não fecha atividades econômicas, mas é mais restritiva para evitar aglomerações e contágio da covid-19″, explicou o governador João Doria durante  a 148ª entrevista coletiva sobre a pandemia realizada no Palácio dos Bandeirantes nesta 2a. feira (30nov2020)

Fase Amarela Plano São Paulo

Com o retrocesso a  ocupação máxima permitida nos estabelecimentos comerciais  passa de 60% para 40%, com horário de funcionamento  limitado a dez horas diárias.

Com o regresso geral para a terceira das cinco fases do Plano SP, atividades como bares, restaurantes, academias, salões de beleza, shoppings, escritórios, concessionárias e comércios de rua voltam a ter limitações de horário e capacidade de público.

A decisão desta segunda não altera a programação de volta às aulas da Secretaria de Estado da Educação. Tampouco há previsão novo fechamento de escolas para aulas presenciais com limitação de alunos por turmas e turnos.

Demorou

Mesmo com o aumento de 18% nas internações pela Covid-19, o governo do Estado de São Paulo adiou a reclassificação de fase em duas semanas, já que ela estava prevista para ocorrer no dia 16 de novembro e só foi feita nesta 2a. feira (30nov2020), um dia após o segundo turno das eleições municipais.

Foram 52 dias sem uma nova reclassificação, já que até o início de outubro, elas ocorriam quinzenalmente. De acordo com o governador João Dória, uma nova reclassificação deverá ocorrer em 4 de janeiro de 2022.

d