A cada verão, entre Natal e Ano Novo, o casal Edgar e Marta recebe amigos e família na sua mansão espetacular à beira mar. Em 2015 tudo parece ir bem, mas em 2016 a mesma festa é cancelada. O que acontece com aqueles que gravitam em torno dos ricos e poderosos quando a vida deles desmorona? Através do olhar de uma empregada e de um velho patriarca, ambos vítimas do sonho neoliberal, vemos um retrato do Brasil contemporâneo, imediatamente antes de 2018.

TRÊS VERÕES é um retrato do Brasil contemporâneo. Através do olhar de Madá (Regina Casé), uma caseira num condomínio de luxo à beira mar, acompanhando o desmantelamento de uma família em função dos dramas políticos que abalaram o país. O enredo do filme se passa ao longo de três anos consecutivos (2015, 2016 e 2017), sempre na última semana do ano, entre o Natal e o Ano Novo, na luxuosa casa de veraneio da família. O personagem de Madá está entre dois mundos, ela é dona da casa sem ser : Madá manda nos empregados, mas é também submissa aos patrões.

“Dizem que se antes os brasileiros costumavam saber de cor o nome dos jogadores da seleção, hoje isso se transferiu para os nomes dos juízes do STF. A população passou a seguir os acontecimentos do país como quem acompanha uma novela, colada nos próximos capítulos. TRÊS VERÕES nasceu do desejo de falar sobre o que vem acontecendo no Brasil nestes últimos anos através de personagens que estão geralmente num canto do quadro. Ou fora da tela. Os figurantes, os invisíveis. O que acontece com aqueles que orbitam em torno dos ricos e poderosos quando a vida destes desmorona? De que maneira eles sofrem as consequências?”, diz a diretora Sandra Kogut.

Em 2015, tudo aparenta ir bem para o casal Edgar (Otávio Muller) e Marta (Gisele Fróes). Cercados de amigos, do sogro viúvo e do filho adolescente, eles celebram o Natal e o fim do ano numa festa espetacular. A única sombra é a chegada de um dos convidados usando uma tornozeleira eletrônica. Durante este curto período do ano, Madá e os outros empregados precisam se acostumar a conviver com os patrões e suas festas, que só aparecem nesta época. Mas no segundo verão, em 2016, vemos Madá sendo obrigada a desmarcar a mesma celebração. A partir daí os empregados são obrigados a usar a criatividade para lidar com os problemas que começam a surgir.

“É um olhar sobre o momento que antecedeu os acontecimentos de 2018. Percebemos que os sinais do que vinha pela frente estavam todos ali, mas ninguém era capaz de enxergá-los”, comenta a diretora Sandra Kogut.

Além de Regina Casé, Rogério Fróes, Otávio Muller e Gisele Fróes, completam o elenco do filme Carla Ribas, Carol Pismel, Wilma Melo, Luciano Vidigal, Jessica Ellen e Daniel Rangel. Sobre o elenco a diretora diz: “Esse foi meu primeiro filme onde praticamente todos eram atores profissionais. Até então tinha trabalhado principalmente com não atores ou com um elenco misto. Fizemos tudo muito rápido, e numa energia maravilhosa. Regina é uma parceira de muitos anos. Tive a enorme felicidade de trabalhar com um elenco de ouro. Choramos e rimos sem parar no set.”

Assista abaixo o trailer:

TRÊS VERÕES terá estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF), onde será exibido na mostra World Contemporary Cinema. O Festival é considerado um dos mais importantes do mundo e acontece na cidade canadense de 5 a 15 de setembro. O filme será distribuído no Brasil pela Vitrine Filmes e na França pela Paname Films.


FICHA TÉCNICA:  Direção: Sandra Kogut  / Elenco: Regina Casé, Otávio Muller, Gisele Fróes, Rogério Fróes, Carla Ribas, Carol Pismel, Wilma Melo, Luciano Vidigal, Jessica Ellen e Daniel Rangel / Produção: Marcello Ludwig Maia e Laurent Lavolé / Produtor Associado: Carlos Diegues /  Roteiro: Sandra Kogut e Iana Cossoy Paro / Direção de Fotografia: Ivo Lopes Araújo / Montagem: Sergio Mekler e Luisa Marques / Trilha Original: Berna Ceppas / Direção de Arte: Marcos Pedroso e Thales Junqueira / Figurino: Marina Franco / Maquiagem: Ricardo Tavares  / Produção de Elenco: Marcela Altberg / Som Direto: Bruno Armelin / Edição de Som: Tomás Alem e Vincent Guillon / Direção de Produção: Flávia Rosa Borges  / Produção Executiva: Marcello Ludwig Maia  / Assistente de direção: Lara Carmo / Consultoria: Monica Almeida / Distribuição: Vitrine Filmes


SOBRE A DIRETORA === Sandra Kogut fez seus primeiros trabalhos em 1984 e desde então vem utilizando diferentes mídias e formatos : ficções, documentários, filmes experimentais, instalações. Participou de exposições no Brasil e no exterior. Em 1996 foi uma das criadoras do programa “Brasil Legal”, na Tv Globo, do qual foi a diretora-geral. Realizou a série experimental “Parabolic People” (rodada em Paris, Nova Iorque, Moscou, Tókio, Dakar e Rio) produzida pelo CICV Pierre Schaeffer (França) e mais uma carreira internacional, com várias produções. O filme “Mutum” seu primeiro longa-metragem de ficção – baseado no livro “Campo Geral” de João Guimarães Rosa – teve sua estreia mundial no Festival de Cannes 2007, na Quinzena dos Realizadores, recebendo mais de vinte prêmios nacionais e internacionais, e foi lançado comercialmente numa dezena de países.  “Campo Grande” seu último longa-metragem de ficção, uma coprodução Brasil/França, teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Toronto e foi premiado nos festivais do Rio, Mar del Plata, Havana, Málaga entre outros. Há três anos é comentarista do programa Estudio i, na Globonews.

SOBRE A VITRINE FILMES ===  Em nove anos, a Vitrine Filmes distribuiu mais de 140 filmes. Entre seus maiores sucessos estão “Aquarius” e “O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho, “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro, e “O Filmes da Minha Vida”, de Selton Mello.  Mais recentemente a distribuidora lançou “Divinas Divas”, dirigido por Leandra Leal, o documentário mais visto de 2017 e “O Processo”, de Maria Augusta Ramos, que entrou para a lista dos 10 documentários mais vistos da história do cinema nacional.  Entre os lançamentos de 2019 estão “Divino Amor”, dirigido por Gabriel Mascaro, “Bacurau”, novo filme do diretor Kleber Mendonça Filho em parceria com Juliano Dornelles, e “A Vida Invisível”, Karim Aïnouz. Além disso a Vitrine Filmes segue pelo terceiro ano consecutivo com o projeto de distribuição coletiva de filmes Sessão Vitrine, que durante o ano todo irá lançar longas nacionais em diversas cidades do Brasil.


< Com apoio de informações/fonte: Sinny Assessoria e Comunicação – SP >

ProntVet

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora