da Redação DiárioZonaNorte

Neste final de ano, as boas notícias chegam sobre a evolução das obras dos Córregos Paciência, Tremembé e Piqueri recebidas pelos moradores de Jaçanã e Tremembé. Essas obras estão finalmente em andamento, em ritmo acelerado,  e já no começo do ano alguns trechos poderão ser entregues. No caso do Paciência, um dos reservatórios (piscinão) está confirmado no terreno da Sociedade Amigos da Vila Constança (Savic), apesar das divergências,  com as obras sem afetar o funcionamento da entidade – as obras serão no terreno do campo de futebol, que terá a área isolada durante as obras e será reconstituído no final.

No cronograma do projeto do Córrego Paciência  está previsto a entrega da primeira etapa no final de dezembro e começo de 2019 (do Rio Cabuçú até a Fernão Dias) e a conclusão de todo o projeto em agosto de 2021.  Já com o Córrego Tremembé, o Reservatório R-4 (piscinão) não será mais construído no terreno sob o estacionamento da DeCico – o solo está contaminado — está sendo pesquisado um novo local, nas proximidades.  E o Córrego Piqueri está no processo de limpeza do local (desassoreamento), que já vem há alguns meses. E um outro presente para a região, uma antiga reivindicação: o 1º Ecoponto do Jaçanã/Tremembé (fixo) será inaugurado no começo do ano e, já aprovado pela Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), com local escolhido: Av. Paulo Lincoln do Valle Pontin, altura do nº 550, próximo do Centro Educacional Unificado (CEU) Jaçanã. Na área da saúde, as novidades são a Unidade Básica de Saúde (UBS) Jardim Fontális/Jova Rural e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) São Luiz Gonzaga. E o esperado Centro de Educação Unificada (CEU) Tremembé, na Bortolândia, que deve ter início das obras no começo do ano.

As promessas soltas === O tempo passa e as promessas esvaziam-se no espaço. Foi o tempo que se passou em quatro anos da última gestão (Fernando Haddad, de 2012 a 2016) na Prefeitura de São Paulo. Muito se falou dos Córregos e pouco foi feito, com muitas reuniões, audiências públicas e promessas à rodo — até discussões sem validade, como a que aconteceu no auditório da Savic. Mas os projetos ficaram à espera de soluções, dentro dos processos e burocracias. E agora, finalmente, estão no caminho das soluções após dois anos da nova administração,  nas mãos de Bruno Covas. E essas obras estão em andamento e já trazendo resultados na contenção nas últimas enchentes verificadas já neste ano.

O balanço da gestão === “O prefeito não gosta de ver obras paradas. É dinheiro público parado e não é o que ele quer”, sentenciou o subprefeito de Jaçanã/Tremembé, Alexandre Baptista Pires, no calor da  4ª feira passada (12/12/2018), em coletiva com a Imprensa regional (*) – no local, a presença de Fábio Polillo, o fiel escudeiro do subprefeito, na área da Coordenadoria de Projetos e Obras. Em seu gabinete no prédio da Subprefeitura na Avenida Luiz Stamatis, onde Alexandre Pires apresentou um balanço de zeladoria em sua gestão de dois anos e, através de um power-point, fixou os assuntos principais: drenagem, ecoponto, saúde, Cohab, assistência social e números da gestão. ==== (*) N.R.: Além dos representantes do DiárioZonaNorte, estiveram as representações de “A Gazeta da Zona Norte”, “ZN+Notícias” e o “Portal 32xSP”.

Um bom serviço === Sem referências ao momento político atual, onde o prefeito Bruno Covas está em análise na troca de 23 dos 32 subprefeitos, Alexandre Pires desviou-se para a preocupação em deixar um bom serviço na sua gestão.  Em pé durante 50 minutos, com passos de um lado ao outro, no porte de um ex-professor de Karatê, e seus gestos com as mãos e olhares aos seus interlocutores, ele foi passando tela a tela com explicações. Dentro do Sistema de Gerenciamento de Zeladoria – o SGZ –, a subprefeitura conseguiu atender todos os  pedidos de poda e iniciou o processo de “podas preventivas”—que já está no 2º Mutirão de final de semana. Todos os serviços entram no SGZ, que juntos no próximo ano iniciam-se “zerados”. Um trabalho incansável que ficou registrado nos esforços da subprefeitura, que foi reconhecida como uma das mais eficientes (ver lista de reportagens abaixo), sempre buscando soluções inovadoras.

Muito trabalho no dia a dia === “Reconhecemos que temos vários problemas na região, são pontuais, mas não medimos esforços para resolvê-los”, admitiu o subprefeito Alexandre Pires. Mas diante dos pedidos que chegam através do telefone  e aplicativos no 156, na Praça de Atendimento e de outros meios, a orientação é buscar soluções de imediato. E dentro dos “atendimentos de excelência” foi criado o esquema “caça-buracos”, onde através de uma foto do local e do endereço, com uma pequena legenda, tem a participação dos membros do Conselho Participativo Municipal (CPM) — que também é aberto aos funcionários da subprefeitura e outros voluntários. Desta forma, o reparo é agilizado. É sabido também que o subprefeito participa de grupos de moradores no WhatsApp, onde oferece orientações, explicações e, na maioria das vezes, dá solução de imediato – desde que o pedido já tenha sido registrado nos canais de reclamações. Há muitos casos que os moradores ficam surpreendidos com a agilidade e a presença do subprefeito no local – como aconteceu no período de chuvas e ventania, com quedas de árvores na região.

Os Córregos e os boatos === Ao falar dos Córregos Paciência, Tremembé e Piqueri, o subprefeito não deixou de lembrar que “todo mundo criou mistérios e boatos” – chegando até a um tipo de “fake news” — , que segundo ele para fomentar situações políticas. Ele lembrou que o governo agiu de maneira comedida, sem entrar nas especulações e de boatos, que procuravam uma “porta negativa” para gerar situações até de desapropriações. “E o dever do poder público é dar garantias com informações oficiais”, concluiu. Com o apoio da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e de Obras (Siurb), e com a liberações das verbas e documentações, as obras tiveram início e estão em pleno andamento, com datas nos cronogramas oficiais. O subprefeito deu detalhes das obras com 300 metros, onde o Reservatório 3 do Córrego Tremembé (fica na Maria Lopes de Azevedo, próximo do Supermercado Sonda e antes da Av. Nova Cantareira) que vai funcionar para represar 18 milhões de litros de água. O custo da obra chega próximo de 104 milhões de reais — com apoio  financeiro do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). Já o Córrego Piqueri está recebendo o desassoreamento, pois é afluente do Tremembé e Paciência que deságua no Rio Cabuçú, e recebe muita sujeira da população. Alexandre ainda explicou que para ajudar no processo houve obras de drenagem com limpeza dos bueiros e das galerias, com problemas crônicos em ruas com mais de 50 anos.

O Ecoponto, UBS e UPA estão chegando === O subprefeito Alexandre Pires ainda detalhou outras obras e projetos. Além do primeiro ecoponto fixo (na Rua Paulo Lincoln do Valle Pontin – próximo do CEU Jaçanã), que será inaugurado no começo do ano, continuará com os serviços do Ecoponto Móvel – uma ideia que surgiu no Jaçanã/Tremembé e em breve será espalhado em outras subprefeituras –, que é programado a permanência semanal do caminhão em local de maior acúmulo de pontos de descartes irregulares, de 2ª a 6ª feira, facilitando a entrega para os moradores. Falou da abertura do  local para a  Unidade Básica de Saúde (UBS) Jardim Fontalis – que foi construída de madeira e era uma  antiga reivindicação com mobilização de toda a população — e do funcionamento em breve (previsão inicial até junho/julho de 2019) da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do São Luiz Gonzaga, que eram projetos “de promessas” e parados no tempo. Informou que a Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab-SP) tem o posto de atendimento diário (é o primeiro nesta situação)  no prédio da Subprefeitura, onde faz os atendimentos e orientações para o público — já ajudou mais de 200 famílias e a meta é chegar em 1.000 famílias, em 2019 . Ainda comentou a questão da regularização fundiária e da questão de Assistência Social com moradores de rua.

Asfalto, uma questão de tempo === Depois ainda deu um destaque aos serviços de recapeamento, que o asfalto tinha uma durabilidade de 8 anos, e agora estavam mostrando um desgaste muito grande, com buracos. O projeto Asfalto Novo já está em andamento com prioridade nas vias de maior fluxo de veículos (as principais avenidas) e depois serão contempladas as ruas periféricas. Segundo o subprefeito, há planejamento para asfaltar a Av. Sezefredo Fagundes, inclusive no trecho da Serra que vira estrada sob o comando do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), mas há necessidade de planejamento para início das obras com as guias, sarjetas, sarjetões e as calçadas – que estão irregulares por causa das ocupações desordenadas, há anos. Neste ponto, o subprefeito elogiou o novo Secretário Municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, “que sabe o que faz e está fazendo muito bem” pela agilização nos serviços de recapeamento e outros serviços da responsabilidade da pasta. Uma característica que se percebe no Subprefeito Alexandre Pires, muito político e sagaz administrador,  é a divisão de responsabilidades em equipe, sempre lembrando e agradecendo o prefeito Bruno Covas, secretários e quem dá apoio às suas ações — como lembrar do ex-presidente da Cohab e atual secretário da Saúde, Edson Aparecido — incluindo a equipe da Subprefeitura, “que não estou só, mas dependo de todos!”, confessou em conversa reservada.

Mais serviços e produções === O subprefeito Alexandre Pires  ainda abriu um espaço para responder algumas perguntas dos jornalistas. Uma outra novidade é o início das obras do CEU Tremembé, na Bortolândia, que está no aguardo do remanejamento da Base da Guarda Civil Metropolitana (GCM) para um novo espaço. E, ao final,  dispensou a apresentação do “Relatório de Gestão”, com 75 telas super-detalhadas, pois levaria mais de uma hora nas explicações.  Mas alertou: “Não tem a função de ficar comparando uma gestão com outra, mas ter a preocupação de fazer mais e melhor para os munícipes. Esse é o nosso principal foco. E, desta maneira.  deixar uma boa continuidade para os que virão”. E ainda acrescentou: “Não podemos deixar a bola cair, um tem que dar sequência no trabalho do outro. Assim se faz uma boa gestão”. O relatório faz comparativos dos serviços e produções da subprefeitura de 2017 e 2018 – puxando um pouco com a gestão anterior, 2016. Ele fez uma passagem rápida de dois assuntos e disponibilizou a apresentação completa – que reproduzimos algumas telas e alguns números no álbum abaixo  — os interessados devem solicitar cópia em PDF através da Assessoria de Imprensa (prjtcomunicacao@prefeitura.sp.gov.br).

Chegando ao fim ===  Alexandre Pires ainda explicou sobre o Grupo de Apoio ao Municípe (GAM), que é uma rede integrada pela Defesa Civil da Subprefeitura, Guarda Civil Metropolitana (GCM), Policia Militar, Corpo de Bombeiros, Supervisão de Vigilância à Saúde (Suvis), Eletropaulo, Sabesp e o Consórcio Trevo Ambiental (serviços de zeladoria) para que todos tomem conhecimento de serviços e emergências agilizando as providências e responsabilidade de cada um.  Ainda houve uma intervenção do Coordenador de Projetos e Obras da Subprefeitura, Fábio Polillo, que explicou uma nova metodologia nos serviços do Tapa-Buraco, deixando o conserto (ou reparação) no mesmo nível do asfalto anterior. O conserto fica sem ondulação e até ajustando o corte da caixa (nos tampões) e maior durabilidade asfáltica (o dobro de duração: 16 anos).

Com Doria é melhor === E fechando a entrevista coletiva, o subprefeito foi “cotucado” sobre a perspectiva de um novo governo estadual, no comando do mesmo partido, junto ao ex-prefeito João Doria. “Ele é uma pessoa extremamente dedicada, sempre quer melhorias e vai mostrar a capacidade dele. Vai ser uma excelente gestão”, comentou Alexandre Pires. E disse que as perspectivas ainda são melhores ainda para a cidade de São Paulo e para a Subprefeitura Jaçana/Tremembé, além do estado todo: “Um casamento perfeito, com êxito na parceria!”. Encerrado o encontro, os jornalistas seguiram para o local das obras do Córrego do Tremembé.

Córrego Tremembé “in loco” ===  Saindo da subprefeitura na Av.Luiz Stamatis, os jornalistas foram deslocados a 3,21 quilômetros, em “um calor terrível”,  até chegar junto ao Canteiro de Obras da empresa DP Barros ( Daniella e Pricilla Barros Arquitetos Associados) , na Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, no Tremembé,  em frente às obras do Córrego Tremembé, recepcionados pelos engenheiros Carlos Jara, Fernando Davice Barros e Ezequiel – tímido, que nem apareceu e nem deixou seu sobrenome, mas que é uma parte importante da estrutura e elogiado pelo “chefe”. Em uma saleta, o engenheiro Jara – o “chefe” –  explicou os detalhes técnicos das obras, confirmando alguns detalhes já citados pelo subprefeito Alexandre Pires. Ele está ligado à Siurb/Prefeitura com a empresa DP Barros e disse: “Resumindo a ‘estória’ se eu não assinar,  nada sai daqui!’. Muito decidido nas palavras, Jarra confirmou que o reservatório/piscinão  do Córrego Paciência vai ser mesmo no terreno da Sociedade Amigos da Vila Constança (Savic). Segundo ele, a construção do piscinão será embaixo do campo de futebol e, portanto, sem prejudicar as atividades da Savic, no prédio. Quando terminar a obra, o campo de futebol será refeito – e até melhorado. Quanto ao Córrego do Tremembé, Jarra disse que as obras estão em ritmo adiantado e os prazos serão cumpridos. O Reservatório 3, na Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, será entregue no começo do ano. O Reservatório 4  do mesmo Córrego não será mais no estacionamento da loja DeCico, já que “o solo está contaminado” — antes foi uma garagem de ônibus com óleo, diesel e o produto químico de limpeza Solupan. Jarra ainda não tem, no momento,  um outro local para as obras. Os outros cinco reservatórios estão de acordo com o cronograma. O engenheiro deu todas as informações técnicas e reclamou da morosidade das autorizações oficiais, que entram no processo de muita burocracia. “É por isso que as obras acabam retardando”, encerrou. Na companhia dos engenheiros, foi realizada uma visita às obras do Córrego Tremembé. Será marcada nova visita, nas obras do Paciência e do Piqueri.

 


Assista aos vídeos sobre os Córregos Paciência/Maria Paula e Tremembé – clique:

  • Córrego do Paciência e Maria Paula:

  • Córrego do Tremembé:

Clique nas linhas e releia algumas das reportagens com o Subprefeito Alexandre Pires — Subprefeitura Jaçanã / Tremembé:


Serviço:

Subprefeitura Jaçanã/Tremembé

  • Av. Luiz Stamatis, 300 – Jaçanã (em frente Bergamini)
  • Funcionamento: 08h00 às 17h00 –  Telefone 11-3397.1000
  • e-mail: tremembe@prefeitura.sp.gov.br

 

Institucional Trevo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora