Início Cultura Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de...

Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de SP  

Foto: Amanda Leite/Divulgação
Tempo de Leitura: 2 minutos

Desde o dia 1º de maio (sábado), quem passar pela esquina das ruas Boa Vista e João Brícola, no Centro da capital paulista, terá a oportunidade de prestigiar um vídeo em homenagem ao Brasil editado a partir de imagens captadas pelo fotógrafo paulistano Tuca Reinés, com belíssimas fotos que retratam cidades de todas as regiões do país.

As imagens serão apresentadas de modo que o público possa fruir o contraste e a beleza do Brasil de dimensões continentais.

Trata-se da primeira atração de um painel eletrônico recém-instalado no prédio da Agência Central do Santander que fica no local.

Composto por 100 módulos de LED , com 9,60m x 9,60m de dimensão e capacidade de reproduzir mais de 200 milhões de cores, o painel de design curvo e 92 m² transmitirá um vídeo produzido a partir de 65 imagens de Reinés que será exibido diariamente, das 7 às 23 horas, até o dia 4 de julho.

Foto: Amanda Leite/Divulgação

Ao final, será mostrado um QR Code que direcionará ao site (clique aqui). A página terá mais informações sobre as fotos expostas e uma mini-bio do artista.

“Não existe espaço ideal para a arte, ela pode existir em qualquer lugar. Essa é mais uma iniciativa do banco em integrar a arte à vida urbana, ao cotidiano das pessoas, e em um Centro que tem que voltar a pulsar”, afirma Patricia Audi, vice-presidente executiva de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do Santander Brasil. “Arte disponível para todos. O investimento faz parte do projeto do banco de estímulo à revitalização de uma região tão cheia de história e tão significativa para os paulistanos”, explica a executiva.

Foto: Amanda Leite/Divulgação
Festival Vídeos Arte

O Santander já prepara uma segunda programação para o painel eletrônico. A partir do dia 05 de julho, começa o Festival Vídeos Arte – eu Amo Minha Quebrada. Com a curadoria de Baixo Ribeiro, em seis meses, o Festival reunirá 15 artistas residentes nas comunidades de todas as zonas paulistanas e apresentará vídeos – de, em média, dois minutos – produzidos por esses artistas.

O projeto ainda prevê uma oficina e leitura de portfólios para indicação dos participantes que poderão apresentar vídeos, animações, time-lapses, drone-vídeos, gifs, entre outros. Mais informações sobre o festival serão divulgadas em breve.  <<Com apoio de informações/fonte: Marra Comunicação / Luiz Lamboglia >>


d