O levantamento de agosto do Sindicato dos Delegados de Polícia no Estado de São Paulo (SINDPESP), conhecido como Defasômetro,  indica que faltam hoje 707 Delegados de Polícia no Estado de São Paulo. Do mês anterior, teve um acréscimo de 20 cargos vazios a mais.

Os números são oficiais já que é feito um acompanhamento através do Diário Oficial do Estado, com um histórico  de governos nos últimos 20 anos. No momento, o déficit total da Polícia Civil paulista é de exatos 13 mil cargos, mais de um terço do total previsto em lei.

A nova divulgação do Defasômetro atualizou os números de todas as carreiras. Faltam 3.014 investigadores, 2.847 escrivães, 911 agentes policiais, 841 agentes de telecomunicação, 293 papiloscopistas, 441 auxiliares de papiloscopista, 263 médicos legistas, 374 peritos criminais, 120 fotógrafos, 37 desenhistas, 47 auxiliares de necroscopia e 148 atendentes de necrotério.

Mais aposentadorias === Os carcereiros somam 2.957 cargos extintos. O SINDPESP considera inaceitável a extinção do cargo sem que o fato não seja contabilizado como perda. No lugar do que sai, deveria ingressar um funcionário de outra carreira, pois todo policial civil operacional colabora nas tarefas de uma delegacia, seja no atendimento ao cidadão, na investigação, na condução de viatura ou outros serviços. O carcereiro, hoje, ainda mais com o imenso déficit imposto à Polícia Civil, tem valiosa contribuição em todas essas atividades.

Com as aposentadorias, o déficit cresce ainda mais. A nova tabela do Defasômetro mostrou, ainda, que já existem pelo menos 837 pedidos protocolados de aposentadorias. Somando-se o número, é verdadeiro dizer que o déficit já alcança 13.837, sem contar eventuais pedidos feitos após o dia 31 de agosto, quando a tabela foi fechada. Cabe frisar que, desde que esses dados passaram a ser divulgados, o mês com o maior número de pedidos de aposentadorias foi o de fevereiro de 2018, com 1.464 .

“Quando a Polícia Civil tem mais de um terço do seu efetivo sem gente, sem funcionários, a população é a maior prejudicada. Os policiais, pela vocação e amor ao que fazem, não param, se desdobram para cumprir suas tarefas, mas é humanamente impossível realizar tudo o que seria necessário”, afirma a presidente SINDPESP, Raquel Kobashi Gallinati. E acrescentou: “O próximo governador tem a obrigação moral de reverter esse quadro inadmissível a que chegou a Polícia Civil do Estado de São Paulo, por conta da política equivocada de segurança pública dos governos dos últimos vinte anos, que privilegiaram apenas o confronto e a polícia ostensiva”.  << Com apoio de informações/fonte: Assessoria de Comunicação do SINDPESP >>

Juntos Pela Zona Norte

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora