da redação DiárioZonaNorte ===

Nesta 6ª feira (25/05/2018), o prefeito Bruno Covas decretou estado de emergência na cidade de São Paulo. O estado de emergência pode evoluir para estado de calamidade pública.

A medida corre em função da paralisação dos caminhoneiros,  que causou desabastecimento nos postos de combustível na cidade de São Paulo e é um mecanismo legal,  que permite  que a prefeitura faça compras sem licitação, requisite ou apreenda bens privados,  como por exemplo o combustível que esteja estocado em um posto. Também permite realizar gastos sem depender de empenho orçamentário.

Outra medida do prefeito Bruno Covas foi determinar a criação de um comitê de crise que vai avaliar e tomar as medidas necessárias conforme os problemas forem se apresentando. Caso continue a situação de desabastecimento provocado pelas manifestações, pode haver decretação de feriado municipal. O comitê será presidido pelo prefeito e será composto pelos secretários Rubens Rizek Júnior (Justiça), Fábio Souza dos Santos (Comunicação), Caio Megale (Fazenda),  Julio Semeghini (Governo), José Roberto Rodrigues de Oliveira (Segurança Urbana) e  Ricardo Ferrari Nogueira (Procuradoria Geral do Município)

Em  nota, a prefeitura afirma que “dentre as medidas a serem adotadas estão a suspensão de serviços administrativos não essenciais com vistas à economia de combustível.  A Prefeitura, com o auxílio da Polícia Militar, continua empenhada em fazer valer a liminar obtida na quinta-feira, que obriga os grevistas a suspender atos que impeçam o abastecimento de combustível para os serviços essenciais”.

A Prefeitura de São Paulo ainda negocia com os sindicatos dos caminhoneiros e das empresas de transporte de cargas para fazer valer a liminar obtida na quinta-feira. Durante a madrugada, tentou-se obter 600 mil litros de combustível para as concessionárias de ônibus em Paulínia, mas não foi possível por temor dos motoristas dos caminhões-tanque de sofrerem retaliações futuras. Também não foi possível obter 180 mil litros de combustível em São Bernardo, que seriam utilizados pelas concessionárias da coleta de lixo.

O rodízio municipal de veículos foi suspenso durante toda a 6ª feira.  A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes determinou que a SPTrans e a CET reforcem as equipes de rua para orientar os passageiros e motoristas sobre as mudanças.

Circulação de caminhões liberada === A CET   informa que, para garantir o abastecimento de serviços essenciais na cidade, a Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) está liberada nesta sexta-feira (25/05). Por conta da greve dos caminhoneiros, o rodízio municipal foi suspenso para veículos e caminhões.  Já a  Zona de Máxima Restrição ao Fretamento (ZMRF), o serviço de Zona Azul e as regras de circulação em faixas e corredores de ônibus, permanecem mantidos.

Transporte público ===  A Prefeitura de São Paulo informa que, no pico da manhã desta sexta-feira, 25, circularam na cidade de São Paulo cerca de 60% dos ônibus programados para o horário. Para o entrepico, as empresas que operam o transporte coletivo municipal foram autorizadas pela SPTrans a rodar com 40% da frota. A medida é necessária para garantir que a frota esteja operacional no fim da tarde e noite. A frota de trólebus está 100% operacional.

Coleta de lixo ===  A AMLURB informa que a coleta de resíduos domiciliares (lixos comum e recicláveis), a maior parte dela realizada à noite, está prejudicada, mas ainda pode ser normalizada ao longo desta sexta-feira. A empresa busca alternativas e espera normalizar o abastecimento dos veículos ao longo do dia.

Os serviços de limpeza urbana como a varrição de vias e logradouros estão reduzidos. A limpeza de pós-feiras, recolhimento de animais mortos e coleta de resíduos hospitalares, no entanto, são executados normalmente.

Saúde ===  Os serviços de Saúde funcionam normalmente, apenas com faltas pontuais de funcionários que tiveram dificuldades de chegar ao trabalho.

Educação === As aulas também foram mantidas em toda a rede municipal. Houve manifestações de vans do Transporte Escolar Gratuito que prejudicaram o serviço em especial na região sul da cidade. A paralisação de condutores do TEG afetou principalmente o atendimento nas regiões de Freguesia, Brasilândia, Pirituba, Jaraguá e Capela do Socorro.  A merenda escola garantida, porém, a  partir de 2ª feira pode ser necessária haver adaptações no cardápio servido aos estudantes.

 

 

IBCC Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora