da Redação DiárioZonaNorte ===

O cerco aos fumantes cresce ainda mais. Agora, um projeto de lei na Câmara Municipal de São Paulo  (CMSP) quer restringir os pontos de venda de cigarros. O objetivo é proibir vendas em padarias, supermercados e hipermercados. Pesquisas mostram que exposição nesses locais é mais vista por crianças e a influência na decisão de fumar. Por outro lado, cerca 600 padarias já anunciaram que não venderão mais cigarros por conta de assaltos. Há também um protesto com a fabricante de cigarros Cia. Souza Cruz e 20 por cento dos comerciantes informaram que não vendem mais os cigarros mesmo que a reivindicação seja atendida.

Briga com a Souza Cruz === Ao mesmo tempo, o Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Estado de São Paulo — conhecido como Sampapão  —  decidiu iniciar um protesto contra a fabricante Cia. Souza Cruz, que fixou o preço dos cigarros na embalagem. Como houve redução nos preços dos cigarros “estava implícita a suposição de que o panificador receberia a redução no preço e continuaria vendendo o cigarro por um preço maior”, informava o comunicado do Sampapão aos associados e publicado nos jornais.

Ver. Rinaldi Digilio

De acordo com pesquisa feita pelo Datafolha com 560 jovens entre 12 a 22 anos, moradores de cinco capitais incluindo São Paulo, os locais onde mais são vistos cigarros à venda por eles mesmos são padarias e supermercados. Dos que frequentam padarias, 79% dizem já ter visto esse produto à venda nesses estabelecimentos e 71% já viram nos supermercados. Na Câmara Municipal de São Paulo,  o Projeto de Lei nº 230/2019 é de autoria do vereador Rinaldi Digilio (PRB)veja aqui biografia -, tem como objetivo reduzir a exposição do cigarro em locais mais frequentados pelas famílias, assim, evitando a influência futura na decisão de fumar.

A mesma pesquisa aponta que a maioria acha que a exposição de cigarros nestes locais tem influência na iniciação ao hábito de fumar. Para 37%, a exposição influencia muito e para 34%, influencia mais ou menos as pessoas começarem a fumar. O levantamento do Datafolha mostra ainda que 63% acha que pessoas de sua idade podem sentir vontade de fumar ao ver os cigarros expostos em locais de venda.

Cigarro com adolescentes === Segundo a pesquisa Vigitel do Ministério da Saúde, divulgada em maio de 2018, apesar do número de fumantes ter caído, em média, 36% no Brasil nos últimos dez anos, houve um aumento de tabagistas com idade entre 18 a 24 anos nos últimos dois anos. O levantamento foi feito com 53.034 pessoas de 18 capitais. Os jovens que passaram a se declarar fumantes passaram de 7,4% em 2016 para 8,5% em 2018.

Se aprovada e sancionada, a proposta determina advertência, multa de R$ 5 mil  em caso de reincidência e até a suspensão do alvará do comércio que insistir em vender cigarros. “Fica claro que, a exposição dos cigarros nesses locais é mais vista pelas crianças, porque é o onde elas frequentam com suas famílias e que elas acham que isso as influenciará a fumar. Pior é se pensarmos que enquanto cai o número de fumantes do Brasil, o de jovens fumantes vem crescendo. É preciso fazer algo e outras leis já provaram que a restrição ao acesso ao cigarro é o melhor caminho”, afirmou o vereador.

Os prejuízos com o vício === A situação é ainda mais grave quando se observa, de acordo com uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA), lançado em 2017, que apontou que o consumo de cigarros e outros derivados causa um prejuízo de R$ 56,9 bilhões ao país a cada ano. Do total, R$ 39,4 bilhões são com custos médicos diretos e R$ 17,5 bilhões com custos indiretos, decorrentes da perda de produtividade, provocadas por morte prematura ou por incapacitação de trabalhadores.

Sindicato dos Indústrias de Panificação de São Paulo e o Instituto do Desenvolvimento da Panificação e Confeitaria de São Paulo decidiram não mais comercializar cigarros em cerca de  600 padarias da Grande São Paulo, por medo de assaltos, além do baixo lucro obtido com as vendas dos produtos de tabaco. O Projeto de Lei nº 230/2019 deverá ser apreciado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal de São Paulo até o fim de maio e posteriormente, passará por duas apreciações em plenário antes de seguir para sanção ou veto do prefeito da cidade de São Paulo. “Não adianta cobrar mais impostos sobre o cigarro. Os valores arrecadados nunca compensam o prejuízo. Por isso, precisamos pensar nas futuras gerações e evitar que elas tenham acesso e principalmente, curiosidade de fumar”, concluiu o vereador Digilio.

Inauguração loja

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora