por Aguinaldo Gabarrão (*)

Lançado em 1994 o desenho animado “O Rei Leão” foi um estrondoso sucesso mundial. Centenas de milhões de dólares foram para os cofres da Disney, resultado este alcançado não apenas na bilheteria, mas também por meio de licenciamentos de produtos, vendas de fitas para vídeo cassete, etc.

Vinte e cinco anos depois, o remake desta produção, realizada com tecnologia digital de ponta – live-action –, chega às salas de cinema de todo o mundo para repetir o sucesso da animação clássica dos anos 90.

Abertura impactante === O pequeno Simba, filho do rei Mufasa, é traído por seu tio Scar, que deseja o trono do irmão. Exilado de seu reino, o leãozinho recebe a ajuda de uma dupla de novos amigos, que o ajudarão a crescer e retomar seu destino como herdeiro real nas planícies da savana africana.

A história é basicamente a mesma, porém, esta nova produção tem quase 30 minutos a mais do que a versão anterior. Isto permitiu ao roteirista Jeff Nathanson, desenvolver as personagens com mais elementos dramáticos e, outras subtramas foram esticadas, sem que houvesse perda na dinâmica da história.

Quem assistiu o longa-metragem em desenho animado, notará sequencias idênticas, como a abertura impactante, em que Rafiki – um macaco mandril – apresenta o filhote Simba para todos os súditos do reino.

Hiper-realismo=== A direção de fotografia de Caleb Deschanel é estonteante: planos e movimentos de câmera revelam particularidades do universo de Simba. O desenvolvimento tecnológico permitiu aos realizadores a ambientação cenográfica perfeita da savana africana e, claro, das personagens. No entanto, houve algumas reclamações de que os animais, construídos digitalmente, não possuíam muita expressividade.

Mas essa percepção, embora correta, trouxe mais naturalidade e verossimilhança à proposta do diretor Jon Favreau, que era aproximar realisticamente as personagens não humanas com os animais, tal como se apresentam na natureza.

Dublagem – Atores em cena=== A equipe de produção trouxe o premiado ator James Earl Jones (o Darth Vader de Guerra nas Estrelas) para interpretar novamente Mufasa. Coube a cantora Beyoncé dar vida à Nala na fase adulta.

Na versão brasileira, o casting escalado para realizar a dublagem em português, realiza um belo trabalho de interpretação. Vale destacar entre atores jovens e experientes: Ícaro Silva, o Ticiano da novela Verão 90, que interpreta com jovialidade Simba adulto e o decano da turma de dubladores, o ator paulista João Acaiabe (*), que empresta respeito e grandeza à sua personagem Rafiki.

Hakuna matata!=== O compositor Hans Zimmer (Gladiador, Piratas do Caribe), que já havia realizado a trilha sonora do “O Rei Leão” em 1994, produz uma trilha majestosa, que reforça o teor épico da super produção e a dramaticidade necessária nos pontos de tensão.

Pelo conjunto, o novo “O Rei Leão”, emociona e cativa, mesmo repetindo fórmulas e, sutilmente, procura tocar em temas como a sustentabilidade e a preservação da natureza. É filme para curtir com toda a família, no melhor estilo “hakuna matata!” (não se preocupe!).


Assista ao trailer do filme:


FICHA TÉCNICA

O REI LEÃO (Título original: The Lion King)  =  Distribuição: Disney-Buena Vista

Direção: Jon Favreau / Roteiro adaptado: Jeff Nathanson / Direção de Fotografia: Caleb Deschanel / Trilha Sonora: Hans Zimmer / Montagem: Mark Livolsi e Adam Gerstel / Música-Tema: Elton John / Produção: Julie Taymor

Elenco: (dublagem em inglês) – Donald Glover, Beyoncé, James Earl Jones, Chiwetel Ejiofor, Billy Eichner, Seth Rogen, John Oliver, John Kani, Alfre Woodard.

Gênero: Aventura, Animação / Duração: 1 hora e 58 minutos / Idioma: Inglês / Cor: colorido / Classificação indicativa: 10 anos / País: EUA / Ano de Produção: 2019

Lançamento: 18 de julho de 2019


Elenco / Dublagem em português:

João Acaiabe (*) (Rafiki), Ícaro Silva (Simba adulto), Saulo Javan (Mufasa), Rodrigo Miallaret (Scar), Iza (Nala adulta), Graça Cunha (Sarabi), Marcelo “Salsicha” Caodaglio (Zazu), Carol Crespo (Shenzi), Robson Nunes (Kamari), Thiago Fagundes (Azizi), João Vitor Mafra (Simba filhote), Carol Roberto (Nala filhote), Ivan Parente (Timão) e Glauco Marques (Pumba).


(*) Menção especial ao ator-dublador João Acaiabe: Nasceu na cidade de Espírito Santo do Pinhal – SP. É ator de teatro, cinema e televisão. Trabalha também como dublador, contador de histórias, professor de teatro. Conhecido pelo grande público por papéis como o “Tio Barnabé”, no Sítio do Pica Pau Amarelo – Rede Globo – (2001-2006) e “Chico” da novela Chiquititas – SBT – (2013 a 2015). Em sua extensa e importante carreira, destaca-se, entre outros trabalhos, a sua atuação na histórica montagem de “Jesus Homem” do dramaturgo Plínio Marcos, no qual Acaiabe interpretou um Jesus Cristo negro e contestador. Na Revista Isto É, de 7.01.1981, o crítico de teatro Alberto Guzik comenta que “… João Acaiabe, como Jesus, está emocionante.”


(*) Aguinaldo Gabarrão, ator. Trabalhou com diretores de diferentes estilos e gerações. Adora cinema. Atua também no segmento corporativo por meio de cursos, treinamentos e palestras com as técnicas do teatro.


Nota da Redação: As críticas publicadas neste espaço são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões nelas emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do “DiárioZonaNorte e nem de sua direção.


IBCC Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora