Desde a última 2ª feira (26/04/2021), as bilheterias de 16 estações da CPTM e do Metrô passaram a vender exclusivamente bilhetes QR Code no lugar dos bilhetes de leitura magnética. Até o final de maio, todas as bilheterias estarão adequadas ao novo padrão de vendas.

O valor é o mesmo do pago na compra do antigo bilhete unitário, R$ 4,40 por passagem, podendo ser adquiridos até quatro unidades de uma vez.  A medida deve impactar 15% dos usuários do Metrô e 25% da CPTM e deve gerar aos cofres das duas empresas cerca de R$ 100 milhões anuais.

Como funciona

Após a compra na bilheteria em dinheiro ou nos terminais de autoatendimento, com cartões de débito ou crédito, o bilhete é impresso para que o passageiro use nas catracas.

O novo bilhete também está disponível no formato digital e pode ser comprado pelo aplicativo TOP, disponível para Android e IOS. Neste caso, o pagamento deve ser feito com cartão de débito ou crédito e o passageiro pode comprar até 10 unidades por vez.

Os Bilhetes Digitais QR Code podem ser utilizados nas catracas sinalizadas e preparadas com a tecnologia, impresso ou digital direto da tela do celular, aproximando o código do leitor indicado.

Mesmo sem ter uma data de validade, no caso do Bilhete Digital QR Code impresso, a recomendação é de que ele seja utilizado em até 72 horas após a emissão para evitar que a impressão do código sofra danos.

Para ajudar nesse período de mudança, profissionais identificados estarão nas estações para auxiliar os passageiros no uso do novo bilhete nos horários de pico. Os passageiros também podem contar, sempre, com atendimento 24 horas por dia, todos os dias da semana, pelo WhatsApp (11) 3888-2200.

Cuidados com a versão impressa

Para garantir o melhor uso na sua versão em impressa, também é recomendado que não o amasse, dobre, rasgue ou molhe, inclusive com álcool em gel, para evitar que o QR Code seja inutilizado, e que, após o uso, o papel seja descartado na lixeira mais próxima.

Bilhetes antigos ainda valem

Os passageiros que ainda tiverem o bilhete unitário com tarja magnética (Edmonson) poderão utilizá-lo normalmente nas estações, mesmo após o encerramento da sua comercialização nas bilheterias.

Ainda não existe uma data definida para que o antigo bilhete unitário deixe de ser aceito e, assim que haja essa definição, a população será comunicada com antecedência.