A eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República, no fim de 2018, suscitou uma série de perguntas sobre o momento anterior a seu ingresso na política, no fim dos anos 1980. Por que razões ele abandonou a carreira militar?

Bolsonaro tornou-se uma figura pública em 1986, quando assinou na revista Veja um artigo em que reclamava dos baixos soldos pagos aos militares. Um ano depois, voltou à carga nas páginas da mesma revista, em reportagem que apontava um plano de estourar bombas em locais estratégicos do Rio de Janeiro.

A revista publicou dois desenhos que detalhavam os ataques. Chamado a julgamento, Bolsonaro foi inocentado pelo Supremo Tribunal Militar – STM.  Esta é a reportagem mais completa já escrita sobre esse período pouco conhecido.

Luiz Maklouf Carvalho debruçou-se sobre a volumosa documentação do processo e as mais de cinco horas de áudio da sessão secreta – ambos disponíveis nos arquivos do STM. Também entrevistou diversos personagens que atuaram no caso, entre jornalistas de Veja e militares colegas de Bolsonaro.

Reportagem minuciosa e exemplar, “O cadete e o capitão” reconstitui um episódio decisivo não apenas para a trajetória do presidente eleito em 2018, mas também para o entendimento da redemocratização e do jornalismo no Brasil.


Trecho do livro ===  Na noite alta de 25 de outubro de 1987, um domingo, o capitão Jair Messias Bolsonaro foi chamado ao gabinete do subcomandante da Esao, no quartel da Vila Militar, zona norte do Rio de Janeiro. O coronel Adilson Garcia do Amaral mostrou-lhe, então, um exemplar da revista Veja daquela semana — edição 999, com data de capa de 28 de outubro — e pediu explicações sobre a matéria intitulada “Pôr bomba nos quartéis, um plano na Esao”. Tratava-se de um texto de apoio — um boxe, como se diz no jargão jornalístico — à reportagem “Ordem desunida”, não assinada. O subtítulo informava: “Sarney dá aumento de 110% aos militares, em meio a um clima de descontentamento e até atos de rebeldia nos destacamentos”. “O governo do presidente José Sarney, que começou preocupado com generais, descobre agora que na área militar a palavra-chave é capitão”, dizia a abertura da matéria. Em seguida noticiava a prisão de dois capitães do Exército na semana anterior, “por protestos contra os baixos salários que recebem”, e de dois outros que “revelaram um plano para explodir bombas em instalações militares — sem machucar ninguém, mas deixando claro sua insatisfação com os soldos”. Um dos presos era o capitão Luiz Fernando Walter de Almeida, por invadir a prefeitura de Apucarana (PR) com cinquenta comandados, todos armados, e ler para atônitos funcionários uma declaração de protesto “contra as autoridades políticas desse país”. O outro capitão, Sadon Pereira Pinto, foi preso no Rio de Janeiro por formalizar uma queixa a seus superiores na Esao, reivindicando melhores salários e criticando o governo. Três páginas depois, vinha a matéria “Pôr bomba nos quartéis, um plano na Esao”, que levara o capitão Bolsonaro a ser chamado às falas naquela hora tardia de um domingo. “No mesmo dia [da prisão do capitão Sadon Pereira Filho], a repórter Cassia Maria, de Veja, foi à Vila Militar, um conjunto de residências e instalações do Exército na zona norte do Rio, e conversou com dois capitães que cursavam a Esao e com a mulher de um deles”, dizia o texto. “Insatisfeitos com a prisão do colega [Sadon], com seus vencimentos e com o comportamento da cúpula do Ministério do Exército, os dois militares revelaram nessa conversa um plano que a mulher batizou de ‘Beco sem Saída’, cujo objetivo era explodir bombas em várias unidades da Vila Militar, na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, no interior do Rio de Janeiro, e em vários quartéis.”


O cadete e o capitão – A vida de Jair Bolsonaro no quartel

  • GÊNERO: Não ficção brasileira
  • AUTOR: Luiz Maklouf Carvalho
  • EDITORA: Todavia Livros
  • CAPA: Daniel Trench
  • Páginas: 256
  • Preço: R$ 54,90

Quem é Luiz Maklouf Carvalho ===  Nasceu em Belém, no Pará, em abril de 1953. Mora em São Paulo desde dezembro de 1983. É autor de “Mulheres que foram à luta armada”(Globo, 1998) e “Já vi esse filme: Reportagens e polêmicas sobre Lula e o PT “(1985-2005) (Geração Editorial, 2005), entre outros livros. Desde janeiro de 2016 é repórter de O Estado de S. Paulo.


A Editora Todavia === Somos a todavia, uma editora que traz o melhor da ficção e não ficção ao leitor brasileiro. Romance, ensaio, quadrinhos, biografia, poesia, reportagem e outros gêneros vão povoar o nosso catálogo. Títulos clássicos e contemporâneos. Autores brasileiros e do mundo inteiro. As histórias eternas e as mais urgentes passam pelos nossos livros.  A todavia vai publicar livros para o nosso tempo.  Somos uma editora de narrativas.  Mais:https://todavialivros.com.br


<< Com apoio de informações/fonte: Ass.Imprensa/Divulgação – Nathalia Pazini >>

CenterNorte Institucional Maio2019

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora