O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vai automatizar totalmente, a partir da próxima quarta-feira (10/7), mais de 90 serviços, como solicitação de aposentadoria por tempo de contribuição, recebimento de salário-maternidade, obtenção de extrato de pagamento de benefício e geração de guia da Previdência. Hoje, boa parte dos serviços oferecidos pelo INSS já é feito por meio da Central 135 de forma totalmente eletrônica, sem atendente.

O agendamento de perícia médica é um exemplo. Em 10 dias de migração para a nova forma de atendimento, recebeu 204.108 ligações. O problema é que nem todas as requisições podem ser feitas sem a intervenção humana. Neste caso, 35% das solicitações precisaram ser encaminhadas para um atendente.

De acordo com o governo, o foco é facilitar a vida do cidadão que precisa se deslocar para uma agência. Mas a advogada especialista em Direito Previdenciário, Dirce Namie Kosugi, avalia que a mudança dificultará ainda mais o acesso da população mais carente e idosa aos benefícios. “A população mais idosa tem uma grande dificuldade de lidar com a tecnologia e isso torna inacessíveis serviços que deveriam estar ao alcance público”, afirma.

Dirce, além de especialista em Direito Previdenciário é fundadora do DNK Advocacia e Consultoria Previdenciária, sócia do KMS LAW e coordenadora do Movimento Acorda Sociedade no Estado de São Paulo (MAS/SP), explica que os benefícios só podem ser pedidos on line e isso dificulta muito o acesso. “A maioria não tem condições de dominar a tecnologia, nem de aprender isso. E muitos não têm acesso a ela. Podem ter celular, mas as pessoas mais pobres não têm acesso livre à internet. Imagine a população rural, então! Teoricamente, você tem acesso a tudo, mas de fato você não tem a nada”.

A especialista em Direito Previdenciário ressalta que a medida limita o acesso de uma importante parcela da população ao INSS. “Esse governo está fechando uma quantidade enorme de agências, um número gigantesco de funcionários públicos das agências está pedindo aposentadoria com medo da reforma. Há uma decisão judicial para que os requerimentos de benefícios  possam também ser solicitados nas agências, mas quando você chega lá é orientado a pedir o serviço on line”, conclui Dirce Namie Kosugi.

O serviço, batizado de Meu INSS, pode ser acessado  aqui.

 

< com apoio de informações/fonte: AKM Comunicação com Segurança >

sicredi_institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora