O professor e filósofo Roberto Mangabeira Unger propõe em “O homem despertado – Imaginação e esperança” (Ed. Civilização Brasileira) uma reorientação radical de ideias estabelecidas e apresenta reflexões acerca da natureza, a mente, sociedade, política e religião. Segundo ele,  a filosofia predominante de nossa época, expressa nos escritos de professores, bem como na atmosfera das discussões públicas cultas. É o que chama de doutrina do encolhimento, um recuo para linhas mais defensáveis, de parar e esperar, de cantar acorrentado à medida que perdemos a confiança em grandes projetos, sejam eles de natureza teórica quanto política. Para contornar esta tendência, o filósofo defende que “nunca é tarde para mudar o rumo”, apresentando, então, uma proposta de mudança, bem como a forma como operá-la. “A ideia não é resgatar o pragmatismo, é representar e elevar a nossa humanidade. Imaginação e esperança serão nossos guias gêmeos”, aponta na introdução.

Esse poder de transformar e transcender parece, porém, fantasioso, se a realidade for aquela que a ciência moderna e grande parte da filosofia moderna descrevem: dominada por leis invariantes e determinismos inescapáveis. Teríamos de reivindicar alguma exceção milagrosa ao funcionamento normal da natureza, dentro e fora de nós. Nesta obra, o filósofo brasileiro dispensa milagres. Em que tipo de mundo e para que tipo de pensamento, indaga , a história aberta e o novo possível? Em que tipo de mundo e para que tipo de pensamento faz sentido preferir a luta à serenidade na condução da vida? O produto desse esforço de pensamento é uma filosofia que generaliza, aprofunda, reconstrói e fundamenta o radicalismo imaginativo, rebelde e transformador que pôs o mundo de cabeça para baixo nos últimos séculos.

Em “O homem despertado”, publicado originalmente em 2007 nos Estados Unidos, Mangabeira Unger mobiliza recursos de várias tradições filosóficas e desenvolve as implicações revolucionárias das mais influentes dessas tradições atualmente. Este livro defende a filosofia como a atividade suprema do intelecto em guerra, insistindo em seu poder de lidar com o que mais importa. O livro é, portanto, um chamado do autor, neste momento de desesperança para as pessoas que não apoiam os governos atuais, a transformar a realidade tendo a esperança e a imaginação radical sobre um mundo melhor como norteadores dessa transformação. Para Mangabeira, a mudança é feita pelas pessoas, nada é dado.


Sobre o autor ===  Roberto Mangabeira Unger (Rio de Janeiro, 24/03/1947) é o pensador brasileiro vivo mais estudado no mundo, além de ser cidadão atuante no embate a respeito de nosso futuro nacional. Sua obra abrange a filosofia moral e política e a filosofia da natureza; a teoria social, política, jurídica e econômica; e a proposta de alternativas, sobretudo institucionais, para as sociedades contemporâneas. Por duas vezes foi ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República do Brasil. Sua obra de filosofia, teoria social e direito é citada por intelectuais do porte de Jürgen Habermas e Richard Rorty.  Clique aqui e saiba mais sobre a biografia e a bibliografia.


Ficha técnica

O HOMEM DESPERTADO – (The self awakened: pragmatismo unbound)

  • Autor: Roberto Mangabeira Unger
  • Tradução:  Roberto Muggiati
  • Gênero: Filosofia
  • Revisão técnica:  Carlos Sávio G. Teixeira
  • Editora:Ed. Civilização Brasileira | Grupo Editorial Record
  • Páginas: 308
  • Valor: R$ 59,90

=== <<<Com apoio de informações/fonte: Assessoria de Imprensa Editora Record / Guto Alves  >> == DiárioZonaNorte é o único veículo jornalístico que reconhece e dá crédito aos profissionais de Assessoria de Imprensa / Relações Públicas / Agências —que muito trabalham nos bastidores da notícia >>>

 

credito_sicredi

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora