A expectativa dos brasileiros para o mês de junho tem nome e sobrenome, e nem é a Copa do Mundo. Capazes de unir as pessoas em torno de uma mesa com curau, pamonha, café torrado e quentão, com o som de uma viola tocando ao fundo ou uma quadrilha se apresentando, as festas juninas são esperadas no país todo. E a Globo, para valorizar a cultura popular brasileira, promove mais a segunda edição do ‘Arraial Arte na Rua’, nos dias 23 e 24 deste mês (sábado e domingo), no Bosque Maia, em Guarulhos, onde mais de 400 artistas e 150 pessoas envolvidas na produção da festa apresentam o que há de mais tradicional nessa celebração.

Para quem está acostumado com o formato tradicional de quadrilha, o ‘Arraial Arte na Rua’ pode surpreender com uma nova visão sobre essa arte. O movimento quadrilheiro vem ganhando força no Sudeste do país, com grupos que se dedicam a montar grandes shows misturando teatro, música, folclore, humor e dança. “Essas quadrilhas são levadas muito a sério, os grupos fazem ensaios durante todo o ano para participar das competições que acontecem Brasil afora. Uma iniciativa como esta da Globo, valoriza ainda mais esse movimento e as múltiplas identidades dos arraiais do Brasil”, comemora Diego Dionísio, presidente da Comissão Paulista de Folclore e curador da atividade.

Além do espaço da arena de shows, a festa terá um quê de roça com o espaço ‘Café, prosa e viola’, lugar onde o público poderá sentir o cheiro do café passado no fogão à lenha, beliscar um bolinho de chuva e ouvir as modas de viola apresentadas na roda formada por violeiros e repentistas de Guarulhos, Carapicuíba e Cotia. É a oportunidade perfeita para dar uma pausa na correria, bater um papo e resgatar tudo o que há de bom na cultura caipira.

A diversidade da culinária caipira também estará bem representada no ‘Arraial’. Distribuídos em 15 ranchos, produtores de 18 cidades do estado de São Paulo apresentam pratos que vão além das iguarias de milho e doces típicos: bolinho caipira, rojão, vaca atolada, feijão tropeiro, “comida do lobisomem”, frango com polenta, tutu de feijão e tantos outros ingredientes que traduzem a riqueza da culinária tropeira.

“O movimento que a Globo faz com o ‘Arte na Rua’ é reunir essa produção de cultura popular e levar para perto das pessoas, para o lugar onde elas estão, e, com isso, promover a diversidade da nossa cultura”, explica Alexandre Mutran, gerente de Comunicação Regional da Globo em São Paulo.

Arte na Rua’ é uma iniciativa da Globo, que desde 2014, valoriza o espaço público como o maior e mais democrático de todos os palcos. O ‘Arraial Arte na Rua’ conta com o apoio da Prefeitura de Guarulhos. << Com apoio de informações/fonte: Comunicação RedeGlobo/Thais Pinheiro >>


ARRAIAL ARTE NA RUA

  • Datas: 23 e 24 de junho
  • Horário: 9h às 21h
  • Local: Bosque Maia – Av. Paulo Faccini, s/n – Centro, Guarulhos
  • Entrada gratuita | Classificação etária livre
  • Programação sujeita a alteração
  • Mais informações: sp.globo.com

PROGRAMAÇÃO

SÁBADO | 23 DE JUNHO

Arena Principal

  • 11h – Rafa e os Forrozeiros
  • 12h – Quadrilha Asa Branca
  • 14h – Quadrilha Caipiras Alegres
  • 15h30 – Quadrilha Andy & Angel
  • 16h40 – Favoritos da Catira
  • 18h30 – Cirandas de São João – Trupé Cia de Artes
  • 20h – Quadrilha Tia Valdelice
  • 10h às 21h – Brincadeiras juninas – Cia Los Xerebas

Espaço Café, Prosa e Viola

  • A partir das 9h – Vera Bianca e Guaru
  • A partir das 14h – Grupo de Viola Sarabaquê

DOMINGO | 24 DE JUNHO

Arena Principal

  • 11h – Orquestra Coração da Viola
  • 12h – Rafa e os Forrozeiros
  • 12h30 – Quadrilha Tia Chalico
  • 14h – Quadrilha Porto do Ribeira
  • 15h30 – Quadrilha Bonecões de Caçapava
  • 16h – Cirandas de São João – Trupé Cia de Artes
  • 17h30 – Quadrilha Bonecões de Caçapava
  • 19h – Quadrilha Corte Francesa
  • 20h – Grande baile de encerramento
  • 10h às 21h – Brincadeiras juninas – Cia Los Xerebas

Espaço Café, Prosa e Viola

Ranchos típicos:

  • Cruzeiro: bolos e bolinho caipira, quentão e biscoito de polvilho frito.
  • Ferraz de Vasconcelos: balas de coco caramelizada e suspiro.
  • Sorocaba: doces caseiros, conservas, pimentas, geleias, maçã do amor, doce de abóbora, canjica, arroz doce, frutas no chocolate.
  • Buri: milho, curau, pamonha, suco de milho, bolinho caipira, bolo e cuscuz.
  • Redenção da Serra: vaca atolada, pão com linguiça, carne na lata, tutu de feijão com calabresa, arroz, carne com batata, linguiça, polenta com molho, torresmo, couve e farofa.
  • Itapira: vinho, sucos e licores.
  • Jambeiro: feijão tropeiro, arroz carreteiro, carne de porco, calabresa, couve, feijão e caldos.
  • Joanópolis: comida do lobisomem (tropeira).
  • Jundiaí: frango, polenta e pães caseiros.
  • São João da Boa Vista: doces de corte.
  • Monteiro Lobato: arroz tropeiro, carne seca, linguiça, polenta, feijão tropeiro, torresmo, couve, toucinho, queima do alho.
  • Natividade da Serra: café com bolinho de chuva, bolinho caipira, lanche caipira de linguiça e comida tropeira.
  • Paraibuna: café caipira, bolinho de chuva, melaço e rapaduras.
  • Ribeirão Grande: rojão –  espeto de carne suína com especiarias.
  • São Roque: vinhos e suco de uva, bolinho de bacalhau, queijo assado e batata portuguesa no palito.
  • Suzano: arroz, tutu de feijão, torresmo, linguiça, mandioca, couve, frango e farofa.
  • Taubaté: tutu com costelinha, torresmo, linguiça caipira, virado de abobrinha, arroz branco e bolinho caipira.
  • Guarulhos: galinhada.

 

ID Digital

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora