Um foca. Um iniciante no jornalismo, tão ambicioso quanto desesperado para ganhar fama e escapar da penúria em que vive. Este é o protagonista da emocionante viagem ao recente passado brasileiro, tão cheio de paralelos com nosso presente, a que Edney Silvestre nos leva em “O último dia da inocência”. O novo romance chegou às livrarias.

Ao aceitar a dica de um tarimbado fotógrafo, o protagonista sem nome vai se enredando em uma trama onde nada é o que parece, ninguém é quem diz ser, e crimes vêm sendo encobertos desde a ditadura de Getúlio Vargas. Padrinho político do presidente João Goulart. Que irá fazer naquele dia, o comício mais perigoso de sua gestão. Anunciará a reforma agrária e a nacionalização de empresas norte-americanas. O dia fatídico é: sexta-feira, 13 de março de 1964.

“Toda profissão tem que começar em algum lugar. Aquele era uma merda, mas era tão bom quanto qualquer outro, se você não tem porta de entrada, nem quem o indique. Repórter de polícia é o degrau mais baixo na cadeia alimentar do jornalismo. Acima eu não tinha acesso. Abaixo não havia mais ninguém”.

Enquanto todos os repórteres estão no centro do Rio de Janeiro, o jovem órfão vindo do interior vai para o subúrbio, seguro de estar na trilha do grande furo jornalístico de sua vida.  Sem imaginar a armadilha em que seria jogado.

A história real === A História do Brasil e a história do personagem sem nome se misturam numa narrativa vertiginosa, cheia de reviravoltas e complôs. Edney Silvestre permeia o livro com personagens reais – Juscelino Kubistchek, Tancredo Neves, Carlos Lacerda, Leonel Brizola, o barão Stuckart, Jango e Maria Thereza, entre outros – e histórias reais – o Comício da Central, o suicídio de Vargas, o incêndio da boate Vogue, o tsunami provocado pela construção de Brasília. Compartilha com seu personagem um ídolo da juventude: Otto Maria Carpeaux. E o insere em  um ambiente de conflitos políticos decisivos para a História do país. E do mundo.

Vivendo a história === Do autor do best-seller “Se eu fechar os olhos agora”. Em meio às tensões do dia do comício de João Goulart na Central do Brasil, um jovem jornalista – indiferente às conspirações políticas à sua volta – se vê testemunha de um assassinato, do qual se torna o principal suspeito. Enquanto tropas do Exército, conspiradores e manifestantes vão se juntando no centro do Rio de Janeiro, o jovem – que não se recorda de ter cometido o crime – busca, por diversos pontos da cidade, desesperadamente, quem possa ajudar a inocentá-lo. Inteiramente passado em 13 de março de 1964, ‘O último dia da inocência’ mistura situações e personagens reais a criações fictícias. A primorosa reconstrução do ambiente político brasileiro tem papel decisivo no desfecho da trama. Também primorosa é a recriação do Rio de Janeiro. Nessa obra-prima de recomposição de uma topografia afetiva, fruto de pesquisa meticulosa, o autor costura ficção de primeiríssima grandeza, em que se descortinam personagens destinados a permanecer na memória do leitor.

Quem é Edney Silvestre === Ganhador dos Prêmios Jabuti e São Paulo de Melhor Romance em 2010, o jornalista e escritor Edney Silvestre tornou-se, desde sua estreia, com Se eu fechar os olhos agora, um dos mais traduzidos escritores da nova literatura brasileira. Seus romances foram publicados na França, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Portugal, Itália e Sérvia. É também autor dos romances “A felicidade é fácil”, “Vidas provisórias” e “Boa noite a todos”, e do livro de contos “Welcome to Copacabana” & outras histórias. Foi correspondente em Nova York do jornal O Globo e da TV Globo, para a qual cobriu os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. Suas experiências jornalísticas internacionais estão nos livros Dias de cachorro louco, Outros tempos e Contestadores.


O que faz a  Editora Record === Um dos maiores conglomerados editoriais da América Latina e com o maior catálogo no segmento dos não-didáticos, o Grupo Editorial Record tem atualmente cerca de oito mil títulos e lança aproximadamente 40 livros por mês. Além da Editora Record, fundada em 1942 por Alfredo Machado e Décio Abreu como uma distribuidora de quadrinhos e outros serviços de Imprensa, integram o grupo os selos Galera e Galerinha, a Editora Bertrand Brasil e o selo Difel; as editoras Alfredo Machado (e o selo Best Business), as Edições BestBolso, Rosa dos Tempos, Nova Era, Viva Livros. Com a marca da bibliodiversidade, o Grupo publica livros de ficção; narrativas históricas e científicas; ensaios culturais, sociológicos, literários e filosófico; reportagens; romances policiais e de suspense, literatura infantil e quadrinhos. Com um parque gráfico próprio, composto pelo Sistema Poligráfico Cameron, um moderno equipamento de impressão, único no continente, saem até 100 livros de 200 páginas por minuto.


O ÚLTIMO DIA DA INOCÊNCIA

  • Autor: Edney Silvestre
  • Páginas: 196
  • Valor: R$ 39,90
  • Publicação: Editora Record|Grupo Editorial Record

Extras – Saiba Mais

(*) Trecho de discurso de João Goulart na Central do Brasil – em 1964.

(*) Perfil/A trajetória política de João Goulart.Fonte: FGV/CPDOC

(*) Texto/Discurso na íntegra – Jango na Central do Brasil – 1964 – Fonte: EBC

(*) Perfis/Personagens citados no livro

 


<<Com apoio de informações/fonte: Ass.Imprensa Editora Record / Mariana Moreno e Rafael Sento Sé >>

IBCC Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora