da Redação DiárioZonaNorte ===

É mentira  —  ou podemos chamar de “fake” — o que está circulando nas mídias sociais sobre a implantação de um Rodízio Ampliado de Veículos.  Para dar um ar de veracidade ao boato, muitos acrescentam links do G1 – portal de notícias da Tv Globo – datados de 2014.  Outros ainda, enviam links de um “blog” que utiliza indevidamente o nome do Detran para reforçar o boato.

São pessoas que não checam a informação e somente “copiam, colam e enviam para os grupos de WhatsApp. Um jornalismo sério e transparente, checa toda e qualquer  informação com as fontes e órgãos envolvidos. E foi checado: não haverá nenhuma alteração com inclusão das principais avenidas dos bairros de toda cidade no atual  Rodízio de Veículos.

O que aconteceu? === Há seis anos houve uma proposta e estudo da Prefeitura de São Paulo. No final de 2014, os engenheiros da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) desenvolveram uma proposta para ampliar o raio de ação do Rodízio de Veículos, em São Paulo. Essa proposta seria a ampliação em 371 quilômetros da atual área geográfica, atingindo as principais avenidas dos bairros próximos. Na Zona Norte, a nova área compreenderia as Avenidas Braz Leme, Ataliba Leonel, Caetano Álvares, Inajar de Souza e Edgar Facó – em outras regiões seriam as principais ruas e avenidas de maior movimento nos bairros.

Na época, o DiárioZonaNorte publicou nota a respeito informando que a proposta da CET seria discutida no dia 15 de janeiro de 2015 no Conselho Municipal de Trânsito e Transporte – CMTT. Mas também ficou somente na discussão e não teve uma decisão final.

A desistência === Dois meses depois, em 25 de março de 2015, a Prefeitura de São Paulo abandonava essa proposta de ampliação do rodízio de veículos na cidade de São Paulo. Na época,  o prefeito Conselho Municipal de Trânsito e Transporte – CMTT. desistiu da ideia da proposta de incluir as avenidas e também de aumentar o período de restrição nos horários.

A proposta da CET, que tinha o aval do Secretário Jilmar Tatto, dos Transportes, pretendia incluir no sistema 400 ruas e avenidas em todas as regiões da cidade. Com isto, segundo estimativas, diminuiria o número de carros nas ruas com a melhoria da fluidez do trânsito. Mas o projeto era uma cópia do modelo da Cidade do México, que lá não deu bom resultado. Os mexicanos compravam o segundo carro com placas diferentes e o número de veículos aumentou na cidade ocasionando mais congestionamentos.

O que aconteceria === Segundo o Secretário Jilmar Tatto, a proposta foi elaborada a partir de simulação computadorizada de diferentes cenários e fluxos de veículos. “Das várias simulações, como ampliar o número de placas, estender para a cidade toda ou mesmo acabar com o rodízio, o que mais se adequou às necessidades da cidade, o que trouxe mais conforto para os motoristas, foi a ampliação do rodízio nas grandes avenidas da cidade”, explicou ele.

O rodízio permaneceria com as mesmas regras: dois finais de placa diariamente ficam proibidos de circular na área de restrição, de 2ª  a 6ª feira das 7 às 10 horas;  e das 17 às 20 horas.  A mudança seria a inclusão de 35 novos eixos (cerca de 400 vias) na área de rodízio, que atualmente abrange 150 quilômetros quadrados do Centro Expandido.

A maior parte das vias incluídas são classificadas como Via Arterial Tipo I, que fazem ligação entre os bairros e possibilitam macros deslocamentos. Essas avenidas possuem pista dupla, duas ou mais faixas de tráfego por sentido e interseção. Para não prejudicar a circulação entre os bairros, seria permitido cruzar e circular por pequenos trechos das vias com restrição.

Segundo o documento com a proposta, com a maior capilaridade do rodízio, a simulação mostrou que haveria um ganho de 8,5% na velocidade média na cidade (de 18,9 km/h para 20,5 km/h), com diminuição de 13% na lentidão. Nas vias arteriais, o ganho de velocidade registrado é maior, de cerca de 12%, somado a 20,3% de diminuição de filas. Na Marginal Pinheiros, o fluxo de veículos se tornaria 7,5% mais rápido e os motoristas enfrentariam filas 8,2% menores.

Para a implantação, a CET prepararia novo esquema de sinalização vertical e horizontal, além da instalação de aparelhos de fiscalização eletrônica em 2.500 novas faixas, em todas as vias.

Mas tudo isto ficou no papel, há cinco anos. Agora, alguém resolveu criar um “fake”, que circula pelos grupos. É mentira! É fake! Nada vai acontecer com a proposta das mudanças — e nem vão mexer mesmo em “um ano eleitoral”. É mentira!!!


Veja detalhes destas avenidas e locais da proposta, com fotos e gráficos, acesse o documento em PDF: clique aqui.


 

 

 

LimpaSP – estréia

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora