O Dia Mundial da Água,comemorado em 22 de março, foi instituído pela Organização  das
Nações Unidas (ONU) em 1993 para alertar a população sobre a importância de preservar o
recurso natural. Em um planeta cuja superfície é composta por 70% de água – sendo 2,5% desse total água potável, segundoa própria ONU – e frente a mais de 7 bilhões de habitantes, iniciativas que diminuam o desperdício são bem-vindas.

Algumas propostas de deputados na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) acompanham a ideia da entidade internacional, incentivando uso eficiente e consciente ou manutenção e preservação de mananciais e corpos d’água. A promulgação da Lei estadual 13.007/2008, por exemplo, representou  um avanço na proteção de mananciais. A norma, proposta pelo deputado Chico Sardelli (PV), instituiu o Programa de Proteção e Conservação das Nascentes de Água. Além do levantamento de nascentes, a lei prevê medidas voltadas à conscientização da população.

Segundo o Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee), há 891 cursos d’água catalogados no Estado de São Paulo. O debate sobre o uso da água, recurso finito e imprescindível para a vida, não é recente. No entanto, após a estiagem enfrentada pelo estado em 2014, essa preocupação aumentou. A deputada Beth Sahão (PT), por exemplo, apresentou o Projeto de Lei (PL) 1.324/2014. A proposta cria o Sistema de Reaproveitamento de Água de Chuva para evitar o uso desnecessário de água potável. Dentre outras ações, está previsto instalar reservatórios para captar águas pluviais em escolas, hospitais, secretarias e empresas públicas. A medida está pronta para ser votada em Plenário e tramita em regime de urgência, juntada ao PL 180/2005.

Tecnologia ===A tecnologia pode ser uma aliada para garantir que asgerações futuras não sofram coma escassez de água. Nessa linha,está o PL 225/2015, do deputado Itamar Borges (MDB). Visando a incentivar o consumo racional da água, a projeto torna obrigatória a apresentação de um plano de uso da água por instalações públicas ou privadas, residências, estabelecimentos comerciais e até mesmo indústrias. Além disso, equipamentos antigos, como medidores, deverão ser substituídos por exemplares modernos, e os imóveis devem instalar um sistema que processe a água utilizada.  O projeto está em apreciação pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação.

Conscientização ===  Uma Campanha Permanente de Incentivo à Redução de Consumo de Água é a proposta  do PL 1.350/2014, para lembrar a população da necessidade de preservar o recurso. Apresentado pela ex-deputada Rita Passos (PSD), o objetivo é promover a redução do desperdício por meio de campanha publicitária, que deverá ser veiculada pelos mais diversos meios de comunicação. Além disso, estão previstas atividades educativas em toda a rede pública de ensino do estado.

De acordo com o Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento, do Ministério do Desenvolvimento Regional, em 2018 o consumo médio de um brasileiro foi estimado em 154 litros por dia – equivalente a  80 garrafas pet de 2 litros. A proposta, em tramitação na
Alesp e pronta para ser votada  em Plenário, poderá contribuir para reduzir esse consumo para 110 litros diários, quantidade considera ideal pela ONU. << Com apoio de informações/fonte: Imprensa/Assembleia Legislativa de São Paulo – Alesp >>


Leia o artigo ” A Água é um negócio ou um direito?”, de autoria do Prof. Marcus Nakagawa, da ESPM. Clique aqui.


 

 

 

IBCC Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora