Realizado pelo projeto Diálogos Nórdicos e pelo Instituto Cultural da Dinamarca, espetáculo poético e humorístico de dança urbana-contemporânea e o workshop CRASH! chegará a São Paulo, nos dias 15, 17 e 18 de novembro, após turnê na Europa e no Rio de Janeiro. A Cia. ministrará oficinas de dança nos dias das apresentações. Um dos locais escolhidos é o Centro Cultural da Juventude, na  Zona Norte de São Paulo.

Por meio de linguagens em movimento, questões relativas às trocas culturais, compreensão mútua e colisões no amor, na sociedade e na diferença cultural, o espetáculo visa ao estímulo do debate sobre a igualdade de gênero e chega para reduzir a discriminação dos homens em relação à dança urbana e à dança contemporânea: são 7 bailarinos e 2 músicos dinamarqueses e brasileiros que dividem o palco com coreografia assinada por Stephanie Thomasen.

O espetáculo, com 40 minutos de duração, integra a programação do projeto Diálogos Nórdicos — uma iniciativa das embaixadas nórdicas no Brasil (Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia) e do Instituto Cultural da Dinamarca — para estimular o debate sobre a igualdade de gênero, assunto que tem pautado todas as ações deste ano — os próximos serão transparência (2019) e sustentabilidade (2020).

Os workshops, de duração de 60 minutos cada, serão ministrados pela Stephanie Thomasen, Diretora Artística da Companhia Uppercut Danseteater na Dinamarca. Os tópicos, trabalhados de forma adaptada ao nível dos participantes, incluirão: Jogos e desafios para o aquecimento, técnicas de breakdance e de dança contemporânea, trechos da coreografia do CRASH!, Improvisações explorando o encontro entre as linguagens de dança urbana e dança contemporânea.

Os alunos ganharão conhecimento do próprio corpo, dos movimentos próprios e dos outros. Terão uma experiência de trabalhar muito de perto com pessoas de nacionalidades e culturas diversas. Não será necessário a inscrição com antecedência, sujeito a lotação.

O grupo DF Zulu Breakers do Brasil e o Uppercut Danseteater da Dinamarca falam, acima de tudo, de inclusão social. Sem utilizar palavras, o “crash” de ideias rompe barreiras artísticas, abrindo espaços para a afetividade de encontros presenciais e dando vazão ao hibridismo cênico tão característico da cultura brasileira”, comenta Leonardo Braga, técnico de Cultura do Sesc Gama.

Datas e locais:

Dia do espetáculo: 15/11, às 20h

Dia do workshop: 15/11, às 15h

  • Onde: Teatro Olido
  • Endereço: Av. São João, 473, República

Dia do espetáculo: 17/11, às 20h

Dia do workshop: 17/11, às 15h

  • Onde: Teatro Flávio Império
  • Endereço: R. Prof. Alves Pedroso, 600, Cangaiba

Dia do espetáculo 18/11, às 18h

Dia do workshop: 18/11, às 15h

  • Onde: Centro Cultural da Juventude
  • Endereço: Av. Dep. Emílio Carlos, 3641, Vila dos Andradas

O que são os Diálogos Nórdicos ==  O projeto Diálogos Nórdicos – uma iniciativa conjunta entre as Embaixadas da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia no Brasil e do Instituto Cultural da Dinamarca – tem o objetivo discutir desafios atuais, promover o engajamento e servir de fonte de inspiração a brasileiras e brasileiros por meio do diálogo sobre perspectivas e experiências da região nórdica.

Tendo como princípio norteador a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, os temas anuais dos Diálogos Nórdicos se relacionam intrinsecamente às Metas de Desenvolvimento Sustentável. Assim, o primeiro Diálogos Nórdicos, de 2018, promoverá maior igualdade de gênero. O Diálogos Nórdicos 2019 abrangerá o fortalecimento da confiança entre instituições e indivíduos; e o Diálogos Nórdicos 2020 vai centrar suas discussões no crescimento responsável e sustentável.

Sobre a UPPERCUT DANSETEATER (Copenhague, Dinamarca) ==  A companhia Uppercut Danseteater (fundada em 1982) é uma companhia profissional de dança reconhecida por sua mistura de breakdance e dança contemporânea da mais alta qualidade. A Uppercut foi fundada em 1985, e está hoje sob a direção artística de Stephanie Thomasen e Mark Philip. É companhia residente na Capela de Dança “Dansekapellet” em Copenhague, a principal instituição de dança urbana na Dinamarca, e promove espetáculos autorais de dança para crianças, adolescentes e adultos. Os espetáculos dinâmicos e impactantes geraram vários prêmios e nomeações, mais recentemente o prêmio prestigioso Reumert para Stephanie Thomasen como melhor coreógrafa pelo espetáculo “360°” (2015), e para o bailarino Mark Philip como Dançarino do Ano (2015). Anualmente, a companhia realiza aproximadamente 70 apresentações na Dinamarca, e mantém uma agenda de turnês internacionais. Já realizou turnês na China, Vietnã, Rússia, Coreia do Sul, Alemanha, Itália, Inglaterra, EUA, Turquia e, mais recentemente, no Brasil. www.uppercutdance.dk/.

Sobre a DF ZULU BREAKERS (Brasília, DF, Brasil) ==  Dança que faz diferença positiva no mundo é uma frase que se aplica a DF Zulu Breakers. A companhia baseada na periferia de Brasília foi formada em 1985. É mais que uma turma de jovens que dançam, é a união de ideais de uma cultura que se difunde nas ruas, que tem consciência das necessidades e dificuldades do povo da periferia, que usa a arte e criatividade para conscientizar e valorizar o indivíduo que a sociedade ignora. Através de breakdance e cultura urbana, o DF Zulu Breakers ajudou a criar possibilidades para jovens dançarinos por mais de 25 anos, uma geração de dançarinos de altíssimo nível, de breakdance e além, que vem ganhando batalhas e competições nacionais e internacionais.

Institucional Trevo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora