por Andréa Ladislau === 

Em dias de poucas certezas, paramos para pensar e refletir em tudo o que estamos vivendo. O quanto o mundo está estranho e doente. O quanto o silêncio modificou nossas rotinas, nos obrigando a criar adaptações diárias para suprir a saudade de quem está longe e trabalhar, sem neuroses, diante da perda de nossos referenciais.

Nesse cenário de abdicação e deslocamentos emocionais, heróis modernos ganham destaque: são os profissionais da saúde que lutam contra um vírus invisível,  constatando o que já sabíamos há tempos: estamos inseridos em uma sociedade frágil,  desestruturada e desigual.

A lista destes profissionais da linha de frente é  grande. Médicos, enfermeiros , técnicos,  psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas, maqueiros,  motoristas das ambulâncias, equipes de higienização e desinfecção,  entre tantos outros. Cuidadores que já sentem os prejuízos causados pelo combate à pandemia.

O inesperado alterou todas as rotinas. A carga horária, em muitos casos, está bem maior que a habitual. O diálogo entre esses profissionais gira em torno de apenas um tema: O Covid 19. Lazer e confraternização com a família ou amigos ficou no passado ou na memória.  Uma memória saudosista  da liberdade confiscada pelo isolamento social.

Um verdadeiro desafio que pode levar a uma saturação mental. Estão na linha de frente e fazem o elo entre os familiares dos pacientes e os serviços de saúde. Convivem com a dor ao presenciar os desfalques no time, perdendo companheiros de trabalho para um vírus cruel.

São acometidos por uma absurda carga emocional, que mistura ingredientes diversos: o medo de se infectar, o medo de contaminar parentes, o luto pela perda dos amigos de trabalho,  a frustração e sensação de impotência quando perdem um paciente para o Coronavirus, além do esgotamento pelo excesso de atividades. Angústia, medo, insegurança e a solidão do afastamento do “eu”.

Dores que surgem em meio às dúvidas geradas pelo evento adverso. Suscetíveis ao desenvolvimento ou agravamento de uma Síndrome de Burnout que engloba a sensação de esgotamento, a perda do sentido de realização profissional e o distanciamento emocional. Fatores estressores e decisivos na urgência dos traumas psicológicos.

Nossos profissionais de saúde estão expostos ao desequilíbrio mental, uma vez que evidenciamos o aumento nos sintomas de ansiedade, perda da qualidade do sono,  depressão,  estresse, e tantos outros sintomas psicossomáticos.  Apreensivos, encaram a luta e a pressão.

Sim, estamos com a vida por um fio. Esse desafio compreende a todos.  Precisamos entender os nossos limites, olhar para o momento, dando a ele um sentido mais otimista e esperançoso. Não  podemos fazer tudo por todo mundo. Mas se começar por nós, já será um excelente passo. O profissional precisa estar consciente que, para cuidar do outro, precisa desenvolver recursos e estratégias que o fortaleçam mental e fisicamente. Garantir horas suficientes de sono, buscar descansar entre os atendimentos ou plantões.  Manter uma alimentação qualificada e saudável. Bem como reduzir o isolamento, utilizando de forma otimizada as tecnologias de comunicação para permanecer conectado aos familiares e a pessoas queridas. Essas são algumas dicas que podem contribuir para preservar a saúde mental durante a pandemia.

O mais importante é buscar, no meio do caos, refúgios mentais que tragam a sensação de prazer para a mente. Afinal, não há dúvidas que o mundo será outro após o Covid-19. Nós também seremos. Por isso, cuidar de quem cuida é um legado que devemos levar para a eternidade. Afinal, o momento passará e, certamente,  terá o sentido que dermos a ele. O profissional da saúde quer dar sempre o seu melhor, mas o seu melhor é também estar bem consigo – cuidando do seu bem estar físico e emocional para que possa exercer a profissão com excelência e sem prejuízos.


(*) Dra. Andrea Ladislau  ===- Psicanalista,  Doutora em Psicanálise,  Membro da Academia Fluminense de Letras – cadeira de numero 15 de Ciências Sociais,  Administradora Hospitalar e Gestão em Saúde,  Pós Graduada em Psicopedagogia e Inclusão Social, Professora na Graduação em Psicanálise, Embaixadora e Diplomata In The World Academy of Human Sciences US Ambassador In Niterói, Membro do Conselho de Comissão de Ética e Acompanhamento, Profissional do Instituto Miesperanza, * Professora Associada no Instituto Universitário de Pesquisa em  Psicanálise da Universidade Católica de Sanctae Mariae do Congo e Professora Associada do Departamento de Psicanálise du Saint Peter and Saint Paul Lutheran Institute au Canada, situado em souhaites.


<< Com apoio de informações/fonte: Goldoni Conecta Comunicação – RJ / Rodrigo Arantes /  Andréa Ladislau e Pedro Costa >>

 

 

ObraFácil

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora