O Brasil e mais 163 países assinaram na última semana o Pacto Mundial para Migração, um documento elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU) que visa fortalecer os direitos dos migrantes e ajudar as nações a enfrentarem seus desafios, como a integração dos migrantes. Nesta 3ª feira (18/12/2018),  no Dia Internacional dos Migrantes, o Centro de Memória Bunge (CMB), um dos mais ricos acervos de memória empresarial do Brasil, destaca documentos sobre a importância dos migrantes no desenvolvimento do país.

Um dos 23 objetivos do pacto é a criação de condições para que os migrantes possam contribuir para o desenvolvimento sustentável dos países. No Brasil, a imigração estrangeira e a migração nacional foram responsáveis pela formação da massa de trabalhadores, a “mão-de-obra” que ergueu as grandes capitais, moveram as primeiras máquinas industriais e semearam os campos que movimentam as exportações do país.

O passado no presente === No Centro de Memória Bunge existem mais de 1,5 milhão de documentos que recontam uma grande parcela da história da industrialização do país desde o início do século XIX, a partir dos primeiros movimentos migratórios da época. No acervo estão guardados, por exemplo, os livros originais com o registro das primeiras profissões e o cadastro de trabalhadores imigrantes da Brasital, uma das primeiras tecelagens e fábricas de papel do Brasil. A empresa funcionou até 1995 – em 1981 se tornou Indústria de Tecidos Moinho Santista S/A – e por mais de um século atraiu milhares de trabalhadores e suas famílias do campo para a cidade.

Outro documento importante são as fichas dos operários do Moinho Fluminense, a primeira fábrica de moagem de trigo do Brasil, inaugurada em 1887 na zona portuária da cidade do Rio de Janeiro. Os arquivos revelam o movimento de grupos de trabalhadores de várias regiões do Brasil em direção ao litoral carioca, além da diversidade de nacionalidade de trabalhadores.

Segundo a historiadora do CMB, Viviane Lima de Morais, todo migrante precisa ser localizado dentro de um equilíbrio particular de relações sociais para que seja possível perceber o universo de contradições sociais e culturais que o compõe. “Só assim poderemos compreender as implicações políticas e os interesses de poder que envolvem esse movimento de entrada e saída de um determinado território, que evidencia um grande embate social entre migrantes e setores dominantes da sociedade, como governo, empresários e população local”, finaliza.

Sobre o Centro de Memória Bunge ===  O local foi criado pela Fundação Bunge em 1994 para preservar e disseminar conhecimento sobre a história da Bunge, empresa com mais de 200 anos de história, presente em mais de 40 países, incluindo o Brasil, onde foi a precursora do desenvolvimento industrial. O acervo reúne materiais de diversas origens e tipos, como documentos cartográficos, iconográficos, tridimensionais, textuais, entre outros, que contemplam temas como a história da industrialização brasileira, do agronegócio, da propaganda e navegação. O Centro de Memória disponibiliza seu acervo online (www.fundacaobunge.org.br/acervocmb) e, além compartilhar o aprendizado construído com a sociedade por meio de atendimento a pesquisa, exposições temáticas, visitas técnicas e benchmarking, promove anualmente jornadas culturais, uma série de eventos com palestras e oficinas gratuitas com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação de acervos históricos e patrimoniais.

Sobre a Fundação Bunge === A Fundação Bunge, entidade social da Bunge Brasil, há mais de 60 anos atua em diferentes frentes com o compromisso de valorizar pessoas e somar talentos para construir novos caminhos. Suas ações estabelecem uma relação entre passado, presente e futuro e são colocadas em práticas por meio da preservação da memória empresarial (Centro de Memória Bunge), do incentivo à leitura (Semear Leitores), do voluntariado corporativo (Comunidade Educativa), do desenvolvimento territorial sustentável (Comunidade Integrada) e do incentivo às ciências, letras e artes (Prêmio Fundação Bunge).  <<< Com apoio de informações/fonte: CDN Comunicação –  Fábio Souza / Erick Paytl / Marleide Rocha  >>


Serviço

  • Visitas somente com agendamento prévio. 
  • Centro de Memória Bunge
  • Local: Rua Diogo Nogueira, 184 – 5º andar – Pinheiros – São Paulo (SP).
  • Telefone: (11) 3914-0846

sicredi_institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora