A Trivento Bodegas y Vinedos traz ao mercado um projeto ousado e inédito – o primeiro White Malbec feito com a uva Malbec, e que propõe, de forma inovadora, uma nova experiência com a mais emblemática cepa argentina. “O desafio da nossa equipe de vinificação era elaborar um vinho branco atraente e frutado, feito de uma variedade vermelha, um blanc de noir”, diz o enólogo German di Cesare.

O caráter raro e inusitado de White Malbec já se revela desde a colheita: nos primeiros dias de fevereiro, German di Cesare acorda cedo para colher manualmente as uvas da cepa Malbec provenientes dos Vales de Luján de Cuyo e Vale de Uco. As uvas são colhidas precocemente – para manter sua acidez natural –  e com as mãos, para mantê-las inteiras, antes de serem levemente prensadas, e fermentadas sem maceração, separando-se a casca do mosto, no que resulta em levíssima coloração.

Depois de uma fermentação a 10 graus por duas semanas, mais 4 meses para engarrafar e um mês para colocar o rótulo, finalmente é apresentada a obra final de German di Cesare e da Trivento Bodegas y Vinedos –  o primeiro White Malbec elaborado no mundo do vinho –  curiosamente chamado de “a alma nua da Malbec, a mais cultuada cepa argentina”. O método resulta em um vinho de coloração salmão pálido, com aromas de cereja, framboesa e maçã verde, e acidez marcante em boca.

Esse novo estilo de vinho da variedade Malbec casa bem com peixes grelhados e saladas, o que lhe coloca em posição vantajosa em países de clima quente e tropical como o nosso, onde praticamente é verão o ano inteiro.  Um vinho leve, fresco, elegante e fácil de beber, com personalidade e caráter marcante.

Como nasceu White Malbec 

A ideia surgiu da dinâmica de envolver os colaboradores da Trivento no programa Winds of Opportunity, de modo a gerarem idéias criativas. Em uma dessas ocasiões, muitos deles concordaram que a Malbec, cepa mais representativa da vinícola, poderia ser apresentada de maneira inovadora. Com esse desafio em mente, a equipe de vinificação se aventurou na técnica de elaboração de um vinho branco com uvas tintas – um blanc du noir – e assim nasceu Trivento White Malbec. O vinho, inclusive, entraria no mercado com uma bela ação de responsabilidade social: arrecadar bolsas de estudo. A meta para 2020 é arrecadar fundos para permitir ao menos 50 bolsas anuais, o que quadruplicará o que já se obteve em 2019.

Ficha técnica do Trivento Reserve White Malbec

  • Origem da uva: Valle de Uco e Luján de Cuyo, Mendoza
  • Colheita manual a partir da primeira semana de fevereiro
  • Vinificação: leve prensagem, fermentação alcóolica em tanques de aço inoxidável por um período de 15 dias, a 10o
  • Teor de álcool: 12% Vol (20o C)
  • Acidez Total: 6,82 g / l
  • Açúcar residual: 5, 25 g/ l
  • Cor: reflexos pálidos da cor salmão
  • Nariz: notas frutadas, com predominância de aromas de frutas vermelhas maduras, como cereja, framboesa, frutas vermelhas e maçã verde
  • Boca: Paladar fresco e fluído, estrutura média e fácil de beber, taninos doces e final longo.

Sobre German di Cesare  

O enólogo Germán Di Césare apresenta uma distinguida trajetória no cenário vitivinícola argentino. Iniciou sua carreira muito jovem na Trivento, no laboratório onde eram realizados os testes enológicos de vinhos e uvas. A partir de 2004 esteve a cargo da elaboração de vinhos jovens.

Em 2008 aceitou o grande desafio de liderar a linha Trivento Reserve, símbolo da empresa, e a partir de 2010 esteve envolvido com o desenvolvimento dos vinhos de alta gama da vinícola.

No ano de 2017, foi nomeado diretor técnico enológico da Trivento e atualmente desempenha a função de Gerente Técnico Enológico, posição que lhe encarrega de definir o estilo e a qualidade dos vinhos da Trivento e de liderar a comunicação de todo o portfólio.

Além dessa função, Germán desempenha o cargo de enólogo de Terrunyo Malbec, o vinho com o qual a marca atravessa a Cordilheira dos Andes e leva o conceito de Terrunyo para a Argentina, elaborando um Malbec Ultra Premium da região do Vale de Uco em Mendoza. A personalidade carismática de Germán é uma de suas características mais distintivas, além de sua reconhecida paixão pelo folclore, a guitarra, os cavalos e as boas amizades. “No vinho encontramos cultura, tradição, esforço, que são parte fundamental de sua essência”, afirma Germán.

Além da sua dedicação aos vinhos, Gérman tem uma enorme paixão pela cultura argentina, desde a música até pratos nativos, em especial, de Mendoza, cidade onde está localizada a Trivento

Sobre a Trivento

Trivento Bodegas Y Viñedo criou um portfolio exclusivo de vinhos que preservam o caráter do terroir de Mendoza. O prestígio de seus rótulos de alta gama como Eolo, Trivento Golden Reserve, Trivento Private Reserve e Trivento Reserve é atestado pelo reconhecimento internacional que vêm recebendo ao longo dos anos, fruto de investimento contínuo e tecnologia, infraestrutura e expertise. A vinícola fortaleceu sua posição em mais de 100 mercados no mundo, conquistando seu lugar entre os principais exportadores de vinhos do país.

Desde 2013, é a marca de vinhos argentina mais vendida na Europa. Os locais onde ficam os 1579 hectares da Trivento – cerca de 10 vinhedos – foram selecionados com o máximo cuidado. Essas terras possuem uma ampla variedade de topografia e microclimas, e são distribuídas em quatro microrregiões distintas: Vale do Uco (581 Ha) Vale Luján-Maipú (530 Ha), Vale do Leste (238 Ha) e Vale do Norte (230 Ha).

Trivento significa três ventos: os ventos Polar, Zonda e Sudestada sopram na terra ensolarada e árida de Mendoza. Cada um dos três, agitam e perfuram a calma íntima de Mendoza, deixando sua marca em seus vinhos.

<Com apoio de informações/fonte:  Lucia Paes de Barros Assessoria de Comunicação>

IBCC Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora