‘Asterix e o Segredo da Poção Mágica’ chega aos cinemas em 19 de setembro

Saudades da Gália? Divertido e repleto de ação, “Asterix e o Segredo da Poção Mágica” (Astérix – Le Secret de la Potion Magique/Bonfilm) chega aos cinemas brasileiros dia 19 de setembro, depois de passar pelo último Festival Varilux de Cinema Francês.

Em versões legendadas e dubladas, com o ator Gregório Duvivier dando voz ao pequeno gaulês, “o Segredo da Poção Mágica” é a segunda animação sobre os personagens dirigida por Louis Clichy e Alexandre Astier – a primeira sendo “Asterix e o Domínio dos Deuses”, lançada em 2014. Sem perder a magia e essência dos personagens e quadrinhos criados por René Goscinny e Albert Uderzo há mais de 60 anos, essa é a primeira vez que os gauleses ganham um roteiro totalmente original.

Na história, ao cair de uma árvore durante a colheita de visco, o velho druida Panoramix decide que é hora de repassar seu manto e garantir o futuro da aldeia. Acompanhado por Asterix e Obelix, ele parte em uma viagem pela Gália em busca de um jovem druida bom e talentoso para transmitir o Segredo da Poção Mágica. A animação arrecadou mais de US$ 37 milhões ao redor do mundo e foi assistida por mais de 4 milhões de pessoas na França.

Com a aventura original, surgem também novos temas e questões contemporâneas nunca antes abordadas nas histórias sobre Asterix e seus amigos, mas que se encaixam no imaginário criado por Goscinny e Uderzo. Para começar, uma questão filosófica: a quem transmitir o saber da poção mágica? Sendo uma receita poderosa, por que não compartilhar com todos seu conhecimento? Panoramix a criou para proteger um pedaço da Gália do domínio de Julio César, mas será que a poção não ajudaria ao restante do mundo? O que torna uns aptos a tomar a poção e outros não? O que aconteceria se esse conhecimento caísse em mãos erradas?

Atual, o protagonismo feminino também se mostra presente na animação. Quando os homens seguem Panoramix em uma viagem pela Galia, são as mulheres da aldeia que surgem para defende-la dos ataques das tropas romanas. Se, antes, a opção de mulheres beberem a poção nem era sugerida, aqui elas tomam essa decisão a fim de proteger suas casas e suas famílias.

Famosas no mundo inteiro, as aventuras de Asterix e seus companheiros foram publicadas em 37 revistas e traduzidas para mais de 100 línguas. Já foram produzidas nove animações e longas-metragens live action, sendo que o primeiro filme “Asterix e Obélix contra César”, de 1999, foi protagonizado por Christian Clavier e o personagem de Obélix interpretado por Gérard Depardieu.

Feliz com o convite para dublar Asterix, Gregório Duvivier disse que considera Goscinny, autor dos quadrinhos, um gênio: “Asterix é um dos heróis da minha infância, eu li todos os quadrinhos”, conta.

Louis Clichy, codiretor junto a Astier, destaca quais os principais elementos que não podem ficar de fora de uma história original sobre Asterix: “É imperativo encontrar os personagens principais da série. Desta vez, o verdadeiro herói não é o Asterix. Nós mudamos o foco da história para Panoramix e seu antagonista, o druida Sulfurix. Daí temos todos os ingredientes para uma boa história: poção mágica (o principal!) romanos, brigas, César… até mesmo os piratas, que tivemos que cortar no primeiro filme por falta de tempo. Destacamos também o peixeiro e o ferreiro. É um dueto que já gostamos muito em ‘O Domínio dos Deuses’”.

Para Alexandre Astier, codiretor e roteirista do filme, os avanços nas técnicas de animação são um dos trunfos do filme: “É uma aventura que leva nossos heróis a buscar um candidato em toda a Gália. Existe a noção de jornada. Isso aumenta o universo em relação ao primeiro filme. Também acho que a animação está um pouco mais bonita, porque avançamos na questão técnica. (…) Há coisas que a gente aprende e acho que as técnicas de animação deram um pequeno salto em qualidade”.

Além disso, Astier acredita que, por ser um desenho, o filme resgata um pouco do que é ser criança: “É uma brincadeira muito francesa imitar Asterix ao vivo, colocar bigodes, essas coisas. É ótimo, não nego, mas na animação há uma espécie de expressividade. É a forma como sempre sonhei em contar a história do Asterix. A animação e o desenho representam o universo da infância, com toda sua magia e possibilidades”.

“Fiel ao espírito original, o filme a 300 km por hora, brilhante e brincalhão, vai agradar a pequenos e grandes, como um Pixar à moda francesa.”
Le Figaro

Sobre os diretores

Louis Clichy
Formado pela famosa Escola de Gobelins, Louis Clichy dirige um filme de fim de curso, “Mange”, que chama a atenção de um pequeno estúdio de animação francês, Cube. Eles o contratam e lhe dão carta branca. O cineasta aprendiz começa a imaginar imagens com a música de Edith Piaf A quoi ça sert l’amour? O clipe atravessa as fronteiras e atrai os olhares dos animadores da Pixar, que o contratam. Ele trabalha em “Wall-E” e logo depois em “Up – Altas Aventuras”, de Pete Docter. Três anos depois, ele sai da Pixar. De volta à França, se divide entre publicidades, clipes e projetos pessoais, até que Pierre Coffin (diretor de “Meu Malvado Favorito”) pede a ele para colaborar em “Asterix e o Domínio dos Deuses”. O duo Alexandre Astier – Louis Clichy se forma. No início, os papéis eram claros: ao primeiro, a história, ao segundo, a direção. Mas as atribuições se confundem e “Asterix e o Domínio dos Deuses” acaba sendo feito a quatro mãos.

Alexandre Astier
A primeira paixão de Alexandre Astier foi a música. Muito jovem, entra para o conservatório antes de continuar os estudos na American School of Modern Music em Paris. Após ter composto músicas para curtas-metragens, se lança na direção do seu próprio curta, “Dies iræ”, que ganha o prêmio do público 2003 do Festival Off-Courts.
Ele cria a série “Kaamelott”, que o tornou conhecido do grande público. É, ao mesmo tempo, diretor, roteirista e ator dessa ficção que encena a lenda dos cavaleiros da Távola Redonda. Interpreta o primeiro papel no cinema em 2006 no filme “Como Você está Linda!”, ao lado de Michèle Laroque. Em seguida tem um papel no live action francês “Asterix nos Jogos Olímpicos”, e depois atua em várias comédias. Em 2012, Alexandre Astier realiza seu primeiro longa-metragem no cinema: “David et Madame Hansen”. Como de hábito, Alexandre está em todas as frentes, já que escreve, produz, dirige, monta e compõe as músicas do filme. No Natal de 2014, lança “Asterix e o Domínio dos Deuses”, nono filme de animação do famoso pequeno gaulês.

ASTERIX E O SEGREDO DA POÇÃO MÁGICA
Astérix – Le Secret de la Potion Magique
De Louis Clichy e Alexandre Astier
Com Sandrine Kiberlain, Thaïs Alessandrin, Victor Belmondo
2018 – Animação – 1h25
Distribuição no Brasil: Bonfilm
Classificação indicativa: Livre
Sinopse: Asterix e Obelix precisam ajudar o velho druida Panoramix a encontrar um novo guardião para a poção mágica da Gália. Durante a viagem pela região, eles devem impedir que a receita mágica caia em mãos erradas, dando início a uma inesperada aventura.

< Com apoio de informações/fonte: Agência Febre >

Investir e Ganhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora