por Antônio Carlos Lopes (*)

Brasil de hoje não é pródigo em boas notícias. Muito ao contrário. Praticamente todos os dias, jornais, portais e programas informativos trazem notícias sobre corrupção, má gestão da coisa pública, precariedade nos serviços estatais, só para citar casos que já se tornaram recorrentes há décadas.

Dias atrás, o ex-ministro das pastas da Defesa e da Segurança Pública, Raul Jungmann, ocupou manchetes, ao afirmar que o crime organizado controle votos, elege políticos e faz nomeações para os cargos de alto escalão.

As declarações foram fonte de enorme polêmica. Entretanto, não há nada a estranhar. Se considerarmos que parcela considerável dos políticos brasileiros de todas as instâncias, inclusive do Congresso Nacional, são ficha suja, a situação é alarmante. Diversas denúncias e escândalos são de conhecimento dos cidadãos, mas nada muda em virtude da inércia e/ou da omissão daqueles que deveriam cobrar responsabilidades e punir os autores de maus-feitos.

Um dos principais problemas desse círculo vicioso é que a população, cada vez mais, tem dificuldade de acesso ao atendimento público e, quando consegue, é pessimamente assistida.

Na saúde, minha expertise, há distintos exemplos de mazelas. Na rede estatal, falta investimento, os recursos humanos de qualidade estão escassos, as políticas de remuneração são exploratórias, entre outros problemas. Essa conjunção de fatores traz prejuízos importantes aos pacientes, que sofrem em filas gigantescas, padecem com a falta de medicamentos e com o sucateamento das unidades de assistência.

Um desavisado pode dizer que ao menos os que possuem planos e seguros saúde recebem atendimento digno. Só que não é bem assim. Há uma série de empresas que negam cobertura, pressionam médicos a reduzir pedidos de exames e outros procedimentos e antecipar altas e por aí vai. Assim, os usuários pagam mensalidades altíssimas sem ter contrapartida. Prestadores de serviço, têm sua autonomia aviltada e as mãos atadas, várias vezes, sem conseguir administrar as melhores técnicas e tratamentos.

Pior é que o quadro tende a se agravar caso uma proposta das operadoras de planos de saúde vire Lei. Elas querem colocar no mercado produtos segmentados, que deixarão um contingente gigante à beira da amargura. Para ter uma ideia, pretendem vender produtos que oferecem internação, mas não acesso a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Que dão direito a consultas básicas, mas não a especialistas. Circo de horrores.

A Sociedade Brasileira de Clínica Médica, a qual presido, já fechou questão contra, ao lado de outras instituições como o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec),  a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Paulista de Medicina (APM) e outras 40 entidades da sociedade civil.

Não podemos admitir que qualquer proposta semelhante se concretize. Além de ser nociva à saúde suplementar, encherá ainda mais as filas do Sistema Único de Saúde (SUS), que também terá de arcar com grandes despesas de alta complexidade, enquanto as empresas ficarão com o mais light, só amealhando mais e mais lucros.


(*) Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.


Nota da Redação: As críticas publicadas neste espaço são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões nelas emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do “DiárioZonaNorte” e nem de sua direção.


=== <<<Com apoio de informações/fonte: Acontece Comunicação e Notícias/Beatriz Zolin >> == DiárioZonaNorte é o único veículo jornalístico que reconhece e dá crédito aos profissionais de Assessoria de Imprensa / Relações Públicas / Agências — que muito trabalham nos bastidores da notícia >>>

LimpaSP – estréia

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora